Meu perfil como jornalista blogueira

Meu texto de hoje no Nossa Via, o Perfil (do lar) internauta trata da nossa relação com a tecnologia. Cito um estudo que li no Intermezzo feito em 2007 pela Prof. Dra. María Bella Palomo Torres, do Departamento de Periodismo da Universidade de Málaga, Espanha, sobre o perfil dos jornalistas-blogueiros em 20 países iberoamericanos e vou repetir aqui o que o Ale fez, comentando os pontos de forma pessoal. Deixo o convite para meus leitores replicarem nos seus blogs esta idéia, sendo profissionais de comunicação ou não.

  • 75% tem menos de 40 anos. Faço 35 em menos de um mês.
  • 3 em cada 10 blogs são mantidos por mulheres. Uau, ainda precisamos aumentar esta participação feminina.
  • A metade dos jornalistas iberoamericanos com blog tem várias ocupações profissionais. Verdade, no meu caso, apesar de minhas ocupações serem todas na internet.
  • Os jornalistas menos atraídos pelo chamado “jornalismo 3.0? são aqueles dedicados ao setor audiovisual e a comunicação institucional. Nunca trabalhei nestas duas áreas, só em mídia impressa (jornal, revista, livro) e internet.
  • 3 em cada 4 entrevistados consideram que praticam jornalismo de opinião através do blog. Meu blog é muito pessoal e opinativo, aliás, todos os meus blogs são. Mas escrevo colunas de opinião e não textos jornalísticos isentos desde 2001 e não só na internet.
  • 61,9% acredita que a maior conquista de seu blog foi falar com a audiência. Concordo totalmente, a caixa de comentários do blog é a maior satisfação de quem escreve em um espaço assim. Vê-la cheia é maravilhoso, dá retorno e nos permite rever posturas e aprender.
  • 52,4% alegou ter uma liberdade editorial que não tem no meio para o qual trabalha. No meu caso não é verdade, mas nunca fiquei tanto tempo assim nos veículos, deve ser porque não aguento as amarras muito tempo. (Sou dupla aquariana, né?)
  • Somente 3% ganhou algum dinheiro com o blog. Nunca ganhei dinheiro com blog, estou nos 97%.
  • 63% recebe comentários ofensivos. Já recebi, mas apenas uma vez, quando critiquei um livro didático aprovado pelo MEC no post O livro perigoso.
  • 40% já recebeu ofertas de trabalho através do blog. Sim, muitas, o blog é uma vitrine para meu trabalho e neste sentido rende muito.
  • 63% não se preocupa com a questão do copyright. Deveria me preocupar, mas acho que por ser brasileira acostumei com o plágio. Mas rasteio os textos com uma ferramenta do google e vou nos blogs que me citam indevidamente.
  • 35% sabe que em alguna ocasião plagiaram conteúdos de seu blog. Sim, já vi isto acontecer e, como disse acima, fui reclamar.
  • 60% já incorporou alguma vez elementos multimedia em seu blog. Claro! E como poderia ser diferente?

[update] O Lino divulgou uma pesquisa da Brodeur, uma empresa de pesquisa dos Estados Unidos, sobre jornalistas e blogs também, os resultados estão em Marketing Charts. Pretendo ler e comentar em seguida, mas deixo o convite para lerem também! 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.