Meryl Streep, no Globo de Ouro, fala sobre Trump, violência e respeito

discurso-incrivel-de-meryl-streep-no-golden-globe

Eu não vi a premiação do Golden Globe ao vivo, mas mal acordei e já tinha uma repercussão na minha timeline do Facebook e do Instagram, tudo “culpa” da diva Meryl Streep, que recebeu o Golden Globe honorário “Cecyl B. De Mille” por sua carreira.

(Cecil B. DeMille foi um cineasta americano, um dos 36 fundadores da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas)

Esse foi o nono Golden Globe que Meryl recebeu e em seu discurso ela deu uma lição sobre o papel dos estrangeiros (imigrantes) na construção do que entendemos hoje como Sétima Arte, cinema, Hollywood.

“O que é Hollywood senão um grupo de gente de todas as partes?”.

Citando colegas que estavam na plateia, ela listou alguns casos emblemáticos.

Ruth Negga, protagonista de Loving, é de origem irlandesa e etíope.

Natalie Portman é de Jerusalém.

Dev Patel é britânico, nascido no Quênia e criado em Londres, filho de imigrantes indianos.

Ryan Gosling, estrela de La La Land, o filme que foi o grande vencedor da noite, é canadense.

A atriz mencionou todos eles para argumentar que, se essas pessoas encarregadas de emocionar dando luz a histórias alheias, a vidas diferentes das suas próprias, fossem expulsas dos EUA, o público só veria futebol americano.

“Ou artes marciais, que obviamente não são arte.”

Sem citar o nome de Donald Trump, aludiu ao presidente eleito dos EUA e recordou o momento em que o futuro ocupante do Salão Oval zombou de um jornalista com deficiência física: se é o poder que abusa dos fracos, todos os demais o imitarão.

“A falta de respeito incita a mais falta de respeito. A violência, a mais violência”.

E finalizou citando Carrie Fisher “Pegue o seu coração partido e o transforme em arte”.

A premiação teve outros momentos, claro, e Chris Santos contou alguns no nosso instagram @avidaquer.

Para quem não acompanhou o Golden Globe ontem, a série ‘The Crown’ da Netflix ganhou ontem dois prêmios, melhor série dramática e melhor atriz dramática para Claire Foto, que interpretou a Rainha Elizabeth em sua juventude. Sobre a premiação, com respeito ao Hugh Laurie (Dr. House), achei injusto John Litgow não ter recebido o prêmio de melhor ator coadjuvante em série dramática, sua interpretação de Winston Churchill foi incrível. Vimos a primeira temporada ‘numa sentada só’ e contamos sobre o que achamos no blog. http://www.avidaquer.com.br/the-crown-netflix/ #streamteam #NetflixBrasil #netflix #thecrown #clairefoy #agentenaoquersocomida #avidaquer @avidaquer por @teeeetchy avidaquer.com.br | avidaquer no Facebook | Instagram | Twitter

A photo posted by (blog) A Vida Quer (@avidaquer) on

Depois de 5 indicações ontem Viola Davis ganhou seu primeiro Golden Globe de melhor atriz coadjuvante pelo filme ‘Cercas’, peça do dramaturgo August Wilson ambientada nos anos 50, que aborda a realidade da experiência dos afroamericanos e as tensões raciais nos Estados Unidos.
Seu discurso foi lindo, além de agradecer aos equipe, agente, ela faz uma homenagem linda ao pai que faleceu ano passado: “E ao Troy original, meu pai, Dan Davis. Nasceu 1936, que cuidava de cavalos, estudou até a quinta série, não sabia ler até os 15 anos, mas quer saber? Ele tinha uma história, que merecia ser contada e August Wilson a contou, muito obrigada!”

O filme Cercas (Fences) ainda não tem data definida para ser exibido no Brasil.

É baseado numa peça de teatro de 1983, escrita pelo dramaturgo August Wilson, que se passa na década de 1950 e retrata a evolução das famílias afroamericanas, examinando as relações étnicas ao longo da história dos Estados Unidos.

Em resumo, o personagem central é um homem que sonhava em se tornar um grande jogador de beisebol durante sua infância, acaba frustrado na vida como um catador de lixo.

Fences é a sexta de dez produções da Broadway, criadas por Wilson, que recebem o nome de Pittsburgh Cycle. A obra venceu o Tony Award de melhor peça de teatro e o Pulitzer de Teatro, ambos em 1987.

O elenco do filme é de estrelas: Denzel Washington (Sete Homens e um Destino), Viola Davis (Esquadrão Suicida), Mykelti Williamson (Forrest Gump – O Contador de Histórias), Stephen Henderson (Roubo nas Alturas), Jovan Adepo (da série The Leftovers) e Saniyya Sidney (da série American Horror Story).

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.

Christina Santos

Christina Santos, química, com especialidade em pesquisa e desenvolvimento de cosméticos, adora gatos e pipoca e tem grande interesse em meio ambiente, e sustentabilidade corporativa.