Mercado Mundo Mix

(Este texto faz parte da “Blogagem inédita”)

Desde que mudei para Sampa, há 3 anos, quero ir ao Mercado Mundo Mix. É um evento cultural anual que enche a Barra Funda (a área externa do Memorial da América Latina) de pessoas antenadas em novas tendências. Antenado em novidades, não em tecnologia meu caro leitor geek. Minha sensação é de que nestes dois dias gente “diferente” vai para ver, e, principalmente, ser vista. Eu esperava que fosse mais adolescente, confesso. As barracas de moda alternativa, de ponta, em alguns momentos me lembraram Tokyo e foram uma deliciosa surpresa. 😉 Aliás, o que mais lembrava a capital japonesa, famosa por sua “moda” diferente e vanguardista, eram os cosplays… divertidos ao extremo. Na chegada fomos “recepcionados” pelo personagem do Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas, 1993) , que fotografei com sua consorte. Senti muito por não ter levado minha câmera digital, mas fiz várias fotos no smartphone. Usei lá uma estratégia que tenho adotado há tempos. Tiro fotos, faço mil perguntas do que gostei e pego cartões e flyers falando que vou postar no meu blog. Fico contente porque noto que a receptividade e aceitação do blog como mídia é imediata! Apesar de ser bem tratada – como editora de blog – por diversas assessorias de imprensa e editoras, no caso dos contatos online eles sabem que eu sou jornalista. Neste evento notei a reação offline sem saberem da minha profissão, considerando-me apenas uma blogueira (com os filhos a tira-colo, como ficou comprovado nas fotos ao lado e abaixo).


Na ocasião eu estava com Kaká, do Meu Veneno e creio que ela contará o mesmo! Enfim, o que eu vi de legal lá? Achei uma graça uns bichinhos e almofadas de feltro feitas pela Janaína Crivelli, mas eram tão belos quanto caros. Pelo menos para o meu bolso de mãe de dois meninos. Ela expõe aos sábados na Praça Calixto, das 10h às 19h e tem um fotolog. No mesmo padrão, lindos e caros, estavam os colares de fuxico de Cristiane e Sônia (Arte em Mini Fuxico), que não consegui fotografar e, infelizmente, as moças não têm fotolog, blog, nada. Num esquema ainda mais offline, mas com bom gosto, estão umas batas lindas, bem retrô, que da grife Pretinha Básica, produzida por Norma e Nélia Dias. Elas só disponibilizam o fone (11-4169-7239), pode? Indiquei que fizessem ao menos um fotolog ou incluíssem e-mail no cartão, né? Duas grifes me chamaram atenção. A ONG Arte em Pneus, que deixou um ecomobiliário para ser testado pelo público, sendo que a chaise longe e uma mini cama elástica com pneus usados. Os guarda-costas testaram e aprovaram. A grife Nanquim, que tem site lindo e roupas com design idem, me surpreendeu pelo estilo clean e organizado. As roupas são lindas, misturando camisetas com seda e cetim. Amei! O lado geek ficou por conta das camisetas e acessórios com leds do Bright Ideas, de Sandra Nakao. Eles inseriram um mini painel eletrônico (com espaço para mensagens de até 255 caracteres e 6 memórias) em camisetas, cintos, bonés e braceletes. A camiseta custa 75 reais, o que é caro se considerarmos o efeito. 🙂 Meu filho mais novo amou. O destaque eu deixo para as meninas da grife de bolsas Segregs, Carina Ishiyama, Juliana Ozaki e Raquel Takano, recém-formadas em arquitetura e urbanismo pela FAU USP. Com várias peças produzidas em algodão cru ou tecido de pára-quedas reciclado, a linha de sacolas, bolsas e nécessaires tem estilo, robustez (garantem que suporta 7kg de compras) e visual clean. Lembrei muito de algumas bolsas feitas com tecido de garrafas pets recicladas que comprei em Ueno, Tokyo, há alguns anos, pois elas são dobráveis e cabem em bolsinhos na própria sacola. Nada melhor para ir às compras sem aquela impressão de sacolas vazias que vão à feira, não é? As bolsinhas dobradas ficam tão pequenas – ficam do tamanho de uma carteira – que podem passear por aí com você na sua bolsa ou mochila e permitem que estejamos sempre “ecologicamente corretos” quando vamos às compras. 😉 E as meninas têm uma linha de porta-trecos masculina ótima!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.