#MemeDasAntigas que eu não consegui seguir

Bem que eu tentei – e até dei um “migué” postando atrasado com data retroativa, mil artifícios, mas não consegui me manter diariamente no #MemeDasAntigas. Neste domingo, pensando sobre a dificuldade de postar – logo eu que, vocês sabem muito bem, não tenho dificuldade de escrever nem de manter regularidade, pois sempre penso nos leitores do @avidaquer e tento manter uma rotina aqui no relacionamento com quem visita o blog para se comunicar comigo – entendi que travei numa coisa meio negativa.

Explico: parei quando tinha que descrever “Meu pior dia de 2010” que, eu sei, era seguido do “Meu melhor dia de 2010”, mas tinha no caminho “Em 2010 eu pensei em fugir para…” e “Em 2010 tive inveja de…” – claro que poderia criar um ar Pollyanna para todos eles, criando uma saída diplomática para minha dificuldade, mas não consegui. Já me diagnosticaram (risos) como alguém que sofre de excesso de franqueza e alguém com esta patologia não consegue ser muito diplomática – não por um mês inteiro.

Então, fica aqui meu Mea Culpa admitindo que jogo a toalha… embora eu tenha adorado o movimento criado por @maxreinert – e que, pelo que leio nos blogs que estão participando, tem um poder terapeutico (onde fica o acento desta palavra, gente?) e serve tanto para exorcizar quanto para agradecer. Relembrar é viver – e dar uma chance ao futuro para que ele venha com força, sobre uma terra forte e recém arada, livre do que já não precisamos mais carregar. Escorpinianamente Max conseguiu começar este trabalho para todos – criando um movimento para terminar a primeira década do novo milênio com um balanço das contas e um “restart” (nada a ver com a banda kitsch tá gente) que todos precisamos e merecemos.

Beijos queridos, continuem blogando no #MemeDasAntigas que tem sido ótimo de acompanhar e um domingo bem gostoso por aí.

Se você quiser participar da brincadeira, ainda dá tempo… basta clicar aqui, pegar os “temas” e sair blogando no #MemeDasAntigas

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook