Meme: Justiça, please, chega de impunidade!

Ceila Santos, do blog do Desabafo de Mãe e Freelancer – O Profissional que Rala me convocou (sim, ela usou esta palavra) repercutindo o caso da empregada doméstica e exigindo o fim da impunidade no Brasil. O tema é Justiça, please, chega de impunidade! e cá estou eu fazendo minha parte.
Não vou me repetir, pois tenho falado insistentemente sobre causas sociais aqui e na sexta-feira falei sobre o triste encontro da realidade e ficção na violência escolar e citei o caso da agressão à empregada doméstica Sirlei Dias Carvalho Pinto, de 32 anos no Rio de Janeiro, atacada por conhecidos agressores de mulheres. Os autores são cinco moradores de condomínios de luxo na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, acusados de espancar e roubar um celular e R$47 de Sirlei na madrugada de sábado (23/06) em um ponto de ônibus. A vítima os quatro suspeitos do crime em fotos e o outro seria o dono do carro que transportava os jovens.
Falar da violência urbana é difícil para mim. Nunca fui vítima dela, sou muito abençoada por Deus. Mas como filha de uma advogada criminalista, cresci olhando escondida os processos em que minha mãe trabalhava e lembro de noites em que ia com a babá olhar da calçada o fórum onde ela se demorava em algum julgamento. Mais tarde eu fui digitadora de suas petições e outros processos, enfim, vi de perto como a justiça brasileira funciona. Nem sempre confirmei isto que as pessoas dizem sobre impunidade, embora sim, muitas vezes eu tenha visto pessoas com boas condições financeiras conseguirem bons veredictos. Da mesma forma, eu vi pessoas sem condições para pagar um advogado particular serem insistentes e lutadoras, formando boas parcerias com seus defensores públicos (minha mãe faz parte desta categoria no Paraná desde 1989) e conseguindo justiça para seus casos.
A impunidade me perturba sim, mas menos esta das pessoas comuns, como estes jovens vazios e inúteis, e mais a dos políticos, como no caso Renan Calheiros e na atual investigação que envolve o irmão do Presidente Lula. Já falei aqui do Senador, perguntando se seremos sempre os homens cordiais, aceitando que os “crimes de colarinho branco” dêem a licença que os jovens criminosos de classe média precisam para se sentirem “menos errados”. Assusta-me sobremaneira a naturalidade com que se vive em nosso país situações de clara guerra civil, como a que vive a cidade do Rio às vésperas dos Jogos Pan Americanos. Dói em mim, como ser humano, como mãe, não ouvir ou ver reações das pessoas à violência gratuita, sem que se esboce uma reação efetiva da sociedade.
Assisti neste final de semana a dois filmes bons que tratam do mesmo tema e nos levam a refletir sobre nossos papéis na conjuntura em que vivemos e sobre fazemos com a bagagem que a sociedade e os sofrimentos deixaram em nós:Déja Vu (com Denzel Washington, Val Kilmer e Jim Caviezel) e Blood Diamond (Diamante de Sangue, com Leonardo di Caprio e Djimon Honsou). Indico-os para quem quiser pensar mais, em especial o que trata do tema do contrabando de diamantes na África.

Enfim, era um meme e tenho que “convocar” pessoas a quem respeito para opinarem sobre o tema:

  • Lino Resende a quem conheci e aprendi a respeitar na blogagem coletiva de 05 de junho
  • Maria Augusta do Le Jardin Éphémère que tem uma visão interessante da violência urbana no “primeiro mundo”
  • Wagner Fontoura a quem considero parceiro no Boombust e que tem uma visão empreendedora e por isso em busca de soluções para nossa sociedade
  • Kaká, a Menina Malvada e lúcida do Meu veneno porque, como ela escreveu para mim uma vez, temos muito a aprender por sermos de gerações diferentes
  • Poliane do Rumorejo por sua visão cristã, humana e otimista das situações
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.