Medo de mãe e de filha

“Não vi na decisão de Angelina nada de heroico. Ao se expor de forma tão violenta, duvido que ela esteja querendo servir de exemplo. Sinceramente, creio que o que a moveu foi algo muito humano: medo.”Trecho do texto “Angelina Jolie e seu grito de socorro

20130519-162017.jpg

Sobre este caso (e as polêmicas críticas, uma delas rebatida no texto do qual postei um trecho acima), tenho três considerações.

Quem acompanha notícias sobre saúde e em especial sobre câncer de mama entendeu.

Quem já perdeu pessoas queridas para o câncer, especialmente os que são uma propensão genética, sentiu o coração tocado.

Quem quer ter razão e criar virais, simplesmente criticou – aliás, como sempre.

Eu também vi a atitude dela como mãe.

E quanto à crítica do texto, lembrei que em 2008, quando Christina Applegate (de Married With Children) teve câncer de mama e optou pela mastectomia total das duas mamas, a chamada cirurgia profilática, a repercussão foi bem menor. Há tempos sabe-se que ela diminui a chance de reincidência da doença em mulheres que foram diagnosticadas muito cedo.

Como mãe, eu faria o mesmo e não esperaria adoecer!

Na família do meu pai há uma incidência assustadora de câncer no aparelho digestivo, em especial no intestino. Sabemos disso, acompanhamos, estamos sempre cuidando do meu pai para tê-lo saudável com a gente sempre. Por isso eu falei que quem tem pessoas queridas acometidas por algum tipo de doença entende a atitude dela com o coração, sente, se compadece. Depois que me tornei mãe eu redobrei ou tripliquei meus cuidados alimentares fazendo o que é adequado e conhecido para evitar problemas no aparelho digestivo, basicamente porque quero viver para ver meus filhos ficarem velhos.

É verdade, posso morrer num acidente ou outra fatalidade, mas posso também escolher evitar o que está ao meu alcance.

Simples assim.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook