cidadania

Li dois textos sobre as eleições americanas ontem. Pedro Dória discorria sobre os democratas – em O pesadelo democrata está começando – comentando a indefinição (que ainda deve se prolongar enquanto durarem as primárias nos estados importantes) e a dificuldade que os candidatos ao Congresso e Senado estão tendo para serem ouvidos pelo público e para arrecadar fundos para campanha neste ano. Seu post me lembrou o vaticínio que meu marido tem feito há tempos, sempre que ouve uma notícia sobre Obama e Hillary – e isto inclui meu animado texto Direitos para um mundo mestiço – de que mccain.jpgJohn McCain ia passar a perna nos dois e chegar lá, porque tem um perfil mais digerível. Não concordava com ele até ler a matéria Enquanto eles brigam… na Época desta semana.

“O mundo está atento à disputa entre Hillary e Obama. Mas é o republicano John McCain quem está se fortalecendo”

McCain tem alguns trunfos que podem fazer os votos dos indecisos (nem assumidamente republicanos, nem democratas) migrarem para ele: mesmo republicano, é declaradamente contra a prática de tortura contra os suspeitos de terrorismo e ao cárcere em Guantánamo, práticas do governo Bush que são absurdas e tomaram proporções descabidas nestes anos pós 11 de setembro. Em 26 anos no congresso, combateu interesses das indústrias de cigarro, energia, telecomunicações, etanol e automóveis e se posiciona quanto ao aquecimento global – ponto para ele, pois a ecologia tem que estar na pauta e no programa de governo! E para ficar ainda mais no “centro”, não é tão democrata que concorde com casamento homossexual (nisto discordo dele, preciso deixar claro) e o direito ao aborto, mas defende o perdão e a legalização da situação dos imigrantes. Quer um grand finale? Enquanto ter sido combatente pesa muito, ele foi prisioneiro de guerra no Vietnã por 5,5 anos. Não é mesmo cinematográfico?

P.S. No jornal hoje vi que, ao contrário das previsões, Obama ganhou de Hillary em Mississipi!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas