Matrioshkas, Kokeshis e os Sete Deuses da Fortuna

Há tempos tenho matrioshkas (as bonecas russas que formam uma família, sendo guardadas uma dentro da outra quase que infinitamente) porque sou de uma cidade com tradição de cultura eslava. Em Curitiba há uma união de muitas culturas e convivem bem as “babuchkas” (como eu chamava a matrioshkas lá) e as kokeshis, bonecas japonesas também feitas de madeira.

Sempre achei que a relação entre as duas era coisa da minha cabeça e hereditariedade (meus avós paternos vieram do Japão e os bisavós maternos eram filhos de alemães radicados na Rússia), mas descobri que há uma ligação interessante entre as duas:

Apesar de a charmosa matrioska ser um símbolo da cultura russa, sua origem remonta ao ano de 1890 no Japão, quando o brinquedo foi dado de presente à legendária família Mamôntov, conhecidos como patrocinadores da arte no século XIX. Usando como base o brinquedo japonês, o artesão Vassily Zvyôzdotchkin criou a primeira boneca russa, batizando-a de ‘matryoshka’, que significa ‘mãezinha’. A boneca se tornou um ícone depois que o pintor Sergei Maliutin fez uma pintura no brinquedo de madeira – baseado numa série de bonecos de madeira representando os Shichi-fuku-jin, os Sete Deuses da Fortuna japoneses, encaixados de forma semelhante às bonecas atuais– , e expôs a peça na feira internacional de Paris, em 1900. Um brinquedo cheio de história!

Eis que agora a matrioshka ficou fashion e tem estampado de roupas a paredes, além de serem queridinhas das revistas – como a que ilustra o post e que é da Rússia, um dos lares do brinquedo constituído por uma série de bonecas que são colocadas umas dentro das outras, da maior até à menor (a única que não é oca).

Eu já tenho uma camiseta linda de matrioshkas e você, tem dolls no seu cotidiano?

P.S. O post é dedicado a @lidifaria, que a-d-o-r-a kokeshis!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook