Já que chove e os espaços culturais fecham para a eleição, vamos de cinema?

Um dos conceitos mais básicos e que primeiro afloram na mente infantil é do maniqueísmo, que divide o mundo entre Bem e Mal, deixando pouco – ou nenhum – espaço para dúvidas, diferenças, diversidade e reflexões. Neste conceito, o outro, se não pensa, age ou é igual a nós, vira um adversário a ser combatido com toda força.

Este conceito é frequentemente a temática dos filmes infantis. E como eu sempre comento com os leitores sobre o cinema, como um aliado na educação moral (não só cultural) das crianças, cá estou juntando três dos filmes que estão atualmente em cartaz e trazem justamente este assunto para nossos lares, sob a forma de conversas interessantes depois do cinema.

Um deles eu não vi – nem pretendo ver depois de ouvir as impressões da Carolina, 7 anos, filha da blogueira Simone Miletic – é o exemplo das histórias de “competidores que precisam se unir em torno de um inimigo em comum”. Feito Cães e Gatos 2 traz os eternos inimigos das histórias infantis (na real eu nunca vi cão e gato brigarem, por isso sempre me parece que é uma invenção dos cartuns) se unem contra Kitty Galore, “uma ex-colaboradora da organização MEOWS de espiões felinos que quer transformar o mundo em seu arranhador de estimação”. O filme se apresenta como “uma comédia em 3D que mistura live action com bonecos de última geração e animação digital”. Antes de ir ao cinema vê-lo, dê uma lida no post da @smiletic!

Outro filme, que é uma continuação, também tem muitos efeitos especiais:  “Nanny McPhee e as Lições Mágicas”, um repeteco da chegada da babá feiosa e durona, vivida por Emma Thompson, em “Nanny McPhee – a babá encantada”. Confio que o filme traga um roteiro que agrade a adultos e crianças, causando empatia e identificação com a história da mãe solitária (no outro era um pai viúvo) Isabel (vivida por Maggie Gyllenhaal), que precisa cuidar da fazenda sozinha quando o marido vai para a guerra e sofre triplamente com as desavenças dos seus três filhos e seus (dois) primos. A rivalidade, que já existia no seio da família interiorana, piora muito com as diferenças claras de condição de vida e educação dos primos da cidade. A história, que remete tanto ao Rato do Campo e da Cidade quanto à querida Mary Poppins, nos faz refletir sobre o respeito ao outro, ao seu papel em nossas vidas e as suas características e escolhas de vida. O diferente nem sempre é errado.

E nem sempre precisamos acabar com as diferenças para podermos existir. Depois de tanta guerra – e com um nome que parece muito belíco – é no futurista “Batalha por T.E.R.A.“, animação que reune grandes nomes de efeitos visuais e digitais (como o canadense Aristomenis Tsirbas), que está a mensagem de paz.

Eu confesso que, por não ser tão fã de 3D e não ser adepta a filmes de guerra, quase não fui ver o filme, mas fui vencida pela simpatia dos meus filhos pelos teranos – seres pequenos, sem pernas, com grandes olhos e capazes de voar, com ou sem a ajuda de artefatos que parecem de brinquedo – e que lembram muito os personagens que eles criam no Spore – e tem post no Ver Para Crescer.

Os teranos vivem absurdamente em paz numa sociedade organizada e pacífica, voltada para atividades culturais e artísticas – que lembra o sonho mais utópico da humanidade – até que seu mundo torna-se alvo da cobiça dos terráqueos, que destruíram em guerras não só seu próprio planeta, a Terra, como também Marte e Vênus, que haviam sido colonizados. Não vou contar a história, mas há uma mocinha corajosa e habilidosa, um soldado honrado e sincero e um robô sagaz e ultra eficiente. Quem for ao cinema esperando grandes efeitos 3D, se decepcionará (não há grandes atrativos e algumas batalhas aéreas lembram mesmo um videogame infantil). Mas garanto que ganhará, com um raro roteiro escrito para crianças e que não ofende a inteligência dos pais. Eu recomendo.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook