Minha desculpa é que eu estou OK (feliz!) com meu corpo atual

1525356_655858931123173_1511400355_n

Amei esta imagem, gente:

“Qual é sua desculpa”

(para não malhar e ficar sarada mesmo com 3 filhos?)

“Minha desculpa e que eu estou OK (feliz!) com isso.”

E isso sou eu, com todas as coisas incríveis que meu corpo viveu até hoje.

🙂

Lembram-se do post Love Your Body?

Nele eu contava de um estudo conduzido por uma equipe de pesquisadores da Alemanha, EUA e Holanda concluiu que as fotos das modelos em revistas, sejam elas magras ou gordas, fazem as mulheres acima do peso se sentirem pior com os seus corpos. E, na contramão disso, mulheres abaixo do peso normal se sentem melhor ao ver as mesmas fotos.

(e na época desta pesquisa nem tinha Instagram e um monte de gente mostrando 24h por dia o quanto malha e é em forma! risos)

O que faz a gente se sentir bem ou mal?

Creio que muita coisa advém do padrão de beleza. Na falta de padrão que é o povo brasileiro a gente se sente desigual o tempo todo. Mas, por força da mídia, insistimos em tentar achar um jeito de ser igual e esta busca incessante só nos traz sofrimento, tristeza, angústia e sensação de fracasso.

E para quem gosta do assunto, tem uma dica de leitura daqui do blog: A beleza impossível – mulher, mídia e consumo, de Raquel Moreno (editora Ágora). Rachel trata da possibilidade real de o excesso de vaidade se tornar um problema de saúde pública, dada a interferência da mídia, da publicidade e dos interesses do mercado na formação das crianças e adolescentes.

Prá pensar!

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook