Love your body day #outubrorosa



loveyourbodyday

Quando vi o convite da @semiramis para participar do “Love Your Body Day”, uma mobilização feminina contra a ditadura da beleza irreal tive duas referências mentais. O livro A beleza roubada, Mulher, Mito e Consumo, de Raquel Moreno, que li há um ano e pouco me impactou muito porque traduzia em palavras meus pensamentos sobre muitos temas. E a Blogagem Coletiva Outubro Rosa, porque sinto que a coisa está tão confusa na cabeça de algumas pessoas que na iminência de perder a vida algumas se preocupam com coisas como o cabelo, a pele, etc, enfim, coisas que, felizmente, são passíveis de reposição!

Um estudo conduzido por uma equipe de pesquisadores da Alemanha, EUA e Holanda concluiu que as fotos das modelos em revistas, sejam elas magras ou gordas, fazem as mulheres acima do peso se sentirem pior com os seus corpos. E, na contramão disso, mulheres abaixo do peso normal se sentem melhor ao ver as mesmas fotos.

E o que faz a gente se sentir bem ou mal? Creio que muita coisa advém do padrão de beleza. Na falta de padrão que é o povo brasileiro (temos de tudo um pouco aqui, eu mesma sou quase um samba do crioulo doido, com japonês, alemão-russo e português no DNA e mãe de filhos que herdaram sangue ibérico) a gente se sente desigual o tempo todo. Mas, por força da mídia, insistimos em tentar achar um jeito de ser igual e esta busca incessante só nos traz sofrimento, tristeza, angústia e sensação de fracasso.

samegui noite rosa

Que tal eu com uma peruca assim? Me senti maravilhosa e ainda sou eu, né? E olha só a carinha da minha mãe, linda e loura, ao meu lado!

:)

E como combinamos que postaríamos todas as terças neste #outubrorosa, eu achei legal juntar este “Dia de Amar o Seu Corpo” (Love Your Body Day) com o movimento popular nos EUA e que repercute principalmente entre a comunidade de blogueiras e ativistas pelos direitos da mulher.

Em 1998, o peso médio de uma modelo era 23% mais baixo do que o ponteiro da balança marcava, em média, entre as mulheres em geral. Vinte anos antes, essa diferença era de apenas 8%. Alarmadas com este quadro, as mulheres da fundação norte-americana NOW – National Organization for Women (Organização Nacional das Mulheres) decidiram criar um dia especial, para alertar as mulheres sobre a importância de encontrar sua própria beleza, em vez de tentar alcançar os padrões de revistas e passarelas – que, cá entre nós, só existem à base de muito make up e photoshop. Nascia o Love Your Body Day – algo como “Dia de Amar o Seu Corpo”.

O dia de amanhã é um convite para toda mulher parar um minuto e prestar atenção em qual beleza ela busca: a beleza impossível das capas de revista ou a beleza verdadeira, de um corpo saudável e uma pele bonita, mas que transpareça os anos vividos?

E então? Vamos celebrar? O que você pensa em fazer no Dia de Amar o Seu Corpo?

selo da blogagem coletiva outubro rosa

E sobre o #outubrorosa: está imperdível o post da @smiletic de hoje, feito com consultoria da @acharolastra: Mamografia: Digital x Analógica, o que fazer?

Google+ Comments

Tags: #outubrorosa, outubro rosa,

Comente, compartilhe! ;)

25 respostas para “Love your body day #outubrorosa”

  1. no blog: Love your body day #outubrorosa http://tinyurl.com/ykq62s5 #familia #autopost

  2. naomi disse:

    A revista feminina “Brigitte” deixará de empregar modelos supermagras na Alemanha: Maior magazine para mulheres da Alemanha, “Brigitte” anunciou que a partir do próximo ano não mais contratará profissionais “manequim zero”. Espaço para modelos leigas, na luta contra ideais inalcançáveis de beleza.

    Tá lá no site da Deutsche Welle em português. :)

    Sam Shiraishi Reply:

    @naomi, eu sei, li esta matéria também e postei aqui
    Revistas apelam a gordinhas em busca da beleza ‘real’ e eu achei ótimo!

  3. [...] This post was mentioned on Twitter by Sam Shiraishi, Zaíra Pires. Zaíra Pires said: Love your body day #outubrorosa http://bit.ly/EI5je #lybd [...]

  4. Núbia disse:

    Sempre fui contra a Ditadura da Beleza. Acho que nem todas as mulheres tem bio de super magras, magras, tem as nem lá e nem cá (meu caso), tem as médias, gordinhas, e por aí. O importante é ser saudável, ter corpo e mente sã, e minar felicidade. Satisfação e aceitação em primeiro lugar.
    Que legal essa campanha. A moda começa a abrir espaço para pessoas normais! =D

    Beijos Sam

    Sam Shiraishi Reply:

    @Núbia, amiga, acho que o importante é que a gente se sinta bem com o que tem. Exemplo é cabelo! Se for fácil mudar e não causar angustia, ótimo, mas sofrer diariamente para ficar diferente não entendo muito bem sabe…
    Como vc falou, o importante é que estão começando a abrir espaço para pessoas normais!

  5. Zaíra disse:

    Te li, e coloquei um link de vc no meu twitter, pelo #lybd.

    Bjs
    @souminha

  6. Love your body day #outubrorosa http://bit.ly/EI5je #lybd via @souminha

  7. @lidifaria @ericahans @juliagil @ladyrasta @smiletic vcs vão participar da blogagem do Love Your Body Day? http://bit.ly/2cTG1l

  8. smiletic disse:

    sim! RT: @samegui: @lidifaria @ericahans @juliagil @ladyrasta vcs vão participar da blogagem do Love Your Body Day? http://bit.ly/2cTG1l

  9. Andréa disse:

    Sá,

    Acho louvável esta iniciativa de “campanha pela real beleza”, mas, sinceramente?, não creio muito no alcance que possa ter (no sentido de tocar no fundo das mulheres e realmente fazê-las se sentirem melhor com o o próprio corpo).

    Uma das coisas que vejo é que as mulheres que estampam estas campanhas ainda assim são pessoas em boa forma física, com pele linda, maravilhosa e que nem acima do peso pode-se dizer que estão. Elas apenas não são esquálidas, magérrimas, raquíticas como a maioria das modelos é – coisa que eu, pessoalmente, não acho bonito, nem persigo como ideal de beleza.

    De qualquer forma, acho válida a campanha. Acho que tudo que puder ser feito para melhorar a auto-estima das mulheres, sempre tão críticas e exigentes consigo mesmas, deve ser feito. Mas acho que investir em um olhar pra dentro de si, uma busca maior por “conteúdo” em vez de “embalagem” também é fundamental!!!

    Sam Shiraishi Reply:

    @Andréa, na verdade, eu acho que funciona mais como mensagem subliminar, sabe? Quando as esquálidas surgiram na moda tb foi meio lento, ninguém achou a Twiggy linda de cara! Demorou e se instalou. Acho que devemos dar nosso apoio para uma mudança na sociedade.
    Outro dia eu postei aqui sobre a Lizzie Muller (As gordinhas são a beleza real?) um amigo meu, jovem ainda, me chamou no msn para perguntar o que era a foto, porque ele achou horrorosa! A sugestão era eu tirar, acredita? Enfim, há que se reeducar toda uma geração para aceitar as pessoas sem photoshop viu!

  10. Social comments and analytics for this post…

    This post was mentioned on Twitter by samegui: no blog: Love your body day #outubrorosa http://tinyurl.com/ykq62s5 #familia #autopost…

  11. [...] uma olhadinha no post feito pela @samegui para você ver só. também passe por aqui e leia mais sobre esse dia de amar o seu corpo. [...]

  12. Bruno Lira disse:

    Eu amei o post Sam, todas as mulheres deveriam dar uma olhada, cada pessoa tem uma eleza unica que se destacam, pena que poucas delas sabem disso.

  13. Bruno Lira disse:

    Eu amei o post Sam, todas as mulheres deveriam dar uma olhada, cada pessoa tem uma eleza unica que se destacam, pena que poucas delas sabem disso.

  14. Love your body day #outubrorosa http://t.co/6avyTHwx via @avidaquer

  15. Liara disse:

    Eu de novo no seu blog. Bem, eu sou esquálida, abaixo do peso, e não me acho bonita. Sou estudante de Design de Produto e faço pesquisa relacionada à estética, e sei bem como funciona a produção de fotos para uma revista. Concordo com você e acrescento, todas as fotos são falsas, todas têm tratamento de imagem, todas as mulheres das fotos são “corrigidas”, ainda que este termo seja cruel, afinal ninguém é “errado” pra ser “corrigido”. E penso que a ditadura da “beleza” também se estende sobre as magras, porque no nosso mundo machista conta-se muito tem peitão e bundão e quem é magro demais não consegue isso. Eu por exemplo tenho 1,70 e cheguei pesar 47 kg devido à uma disfunção. É terrível, nunca gostei e sempre fui motivo de piada (e apelidos não faltam: vareta, palito de dente, cabo de vassoura, magricela, esqueleto), tanto quanto uma gordinha.

    Admiro sua ousadia, seu jeito de escrever, pela terceira vez, parabéns, adorei seu blog! Vou recomendar no twitter!

    Sam @samegui Shiraishi Reply:

    @Liara, muito bom saber que navegou pelo blog, volte sempre!
    Estes posts sobre a diversidade (de corpos, de mente, de espírito) são meus favoritos tb, gosto porque eles me permitem ser voz de quem nem sempre se sente capaz de expressar seus pensamentos.
    Mais do que falar bem de plus size, enaltecer o peso ideal ou se incomodar com a magreza alheia, devemos é buscar um caminho no qual todos possamos ser como fomos criados, sem neuras sobre os estereótipos alimentados pela sociedade e que, sabemos bem, mudam ao sabor do vento.

Deixe uma resposta

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.