Livros sobre o trabalho na web


Soube de dois lançamentos de e-books que prometem desvendar o novo mercado de trabalho sobre o qual eu tanto falo neste blog. A forma de escrever e de se comunicar na internet está em Como escrever para web – elementos para discussão e construção de manuais de redação online, obra traduzida recentemente para o português e que surgiu da percepção desta necessidade no Centro Knight para Jornalismo nas Américas da Universidade Texas. Escrito pelo jornalista colombiano Guillermo Franco e traduzido ao português pelo jornalista brasileiro Marcelo Soares, o livro pode ser baixado em formato PDF aqui e está referendado aqui – mas a maior referência está na web: desde a sua publicação em dezembro de 2008, a edição em espanhol já foi baixada quase 13 mil vezes.

O diferencial destes autores é sua presença na web. Googlando seus nomes, em poucos segundos encontrarmos um mapa de suas relações e experiências profissionais no linkedin, facebook, blogs e afins. Esta presença digital verdadeira é um dos elementos que despertou minha curiosidade no livro Para Entender a Internet, coletânea de textos escritos durante o Campus Party 2009. Boa parte dos 38 autores é do meu convívio e já os ouvi defender os temas de que tratam na obra, que pode ser  lida em PDF (download do livro na íntegra) ou sob a forma de posts no blog do livro, com direito a comentários, links, pingbacks e tudo mais que a internet permite. 

A obra pretende ser um retrato mais próximo da nossa realidade atual. Organizado pelo historiador Juliano Spyer (aka @jasper), autor do livro Conectado (O que a internet pode fazer por você e o que você pode fazer com ela) , a obra é uma composição coletiva de vários nomes que construiram as bases dos fenômenos sociais nas mídias digitais que envolvem redes de relacionamento. Tive a oportunidade de conversar várias vezes com ele sobre os blogs, o uso do twitter e outros aplicativos que nós – early adopters assumidos – usamos com tanta paixão.

Pretendo ler o livro tão breve possa, pois a visão dos pensadores da internet me fazem aprender e entender melhor o universo de atores sociais da internet brasileira. E deste exercício – mistura de quebra-cabeças com aqueles livros de imagens ocultas – me diverte e me permite enxergar o caminho que escolhi para seguir como jornalista.

No geral eu me afasto de quem tem todas as respostas para tudo, porque sou daquele tipo de pessoa que continua perguntando e se surpreendendo durante a jornada. E não gosto de viajar ao lado de quem já viu tudo, fica chato, tira o prazer e tem jeito de spoiler. Por isso, frases que começam com “para entender” e “como fazer” não são as que mais me atraem porque parecem partir de pressupostos diferentes dos meus. Mas são palavras-chaves para quem busca um guia para sua jornada e neste sentido creio que ambas as iniciativas são muito válidas.

Ainda não li, portanto me abstenho de opinar sobre o conteúdo de ambos, mas deixo as dicas e a promessa de resenha-los depois que terminar a leitura. ;)

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook