Livros no dia das crianças

Meu Deus, olhei a agenda e notei que o Dia das Crianças é domingo! Eu tinha anotado uns programas para o final de semana – e tem muita coisa boa que postarei aqui – mas não tinha percebido que seria já. Aqui em casa, em virtude do excesso de briquedos e da falta de espaço, definimos que não vamos comprar novos brinquedos agora. Não é maldade não, acreditem, é um pouco de bom senso. Até dei a chance para os meninos doarem parte dos brinquedos, mas eles preferiram ficar com os que têm. No fundo nós temos uma mentalidade Toy Story e ficamos com pena de doar os amigos! Quem se lembra do Izzy indo para a venda de usados?

Então minha sugestão aos meus pais e irmãs foi que façam como os japoneses e ofereçam um envelopinho com kozukai (trocadinho) para os meninos neste dia das crianças – que comemoraremos em Curitiba, no final do mês, no aniversário do Giorgio e batizado do CJ. Estou sem jeito de falar o mesmo para os familiares do Gui, mas vamos ver se tomo coragem. 

Dá medo da opinião das pessoas sobre brinquedos, TV, livros, datas comemorativas. Mas é contrutivo ouvir/ler outras opiniões. Tivemos uma primeira discussão realmente acalorada na rede Little Readers sobre um tema relacionado aos brinquedos. Por conta de uma fala da Renata e um papo com a Lili eu perguntei:

Brinquedo e TV, é consumismo puro ou pode ser bom e educativo?

As opiniões foram tão embasadas, tão sinceras, mostraram os valores mais intrínsecos das famílias e me emocionaram.  Se você quiser, entre lá e opine também!

Mas, enfim, sou mãe, né? Tenho que ter algo novo para dar a eles neste dia, mesmo que na verdade meu plano tenha sido apenas estar totalmente disponível para brincar e mimar os meninos o dia todo. Aí hoje vi novamente esta promoção do Submarino com livros a R$ 9,90 e namorei novamente alguns títulos. Livro é uma perdição aqui em casa, os quatro são viciados. E vi uma obra que a Evellyn tinha me indicado porque o Guilherme adorou: George e o segredo do universo, escrito por Stephen Hawking e sua filha Lucy. O livro tem um hotsite bem legal e a história do menino que tem pais com posturas radicais conta tecnologia mas acaba fazendo uma viagem incrível num computador me deixou interessada. Comprei agora e eles entregam em um dia útil! – acredito que vai nos render horas deliciosas lendo juntos na minha cama antes de dormirmos. 

P.S. Na tal promoção tem outros títulos legais que eu já li: Operação Cavalo de Tróia 8, do J.J. Benitez (li toda a série no final do ano passado porque minha mãe ganhou de presente da minha irmã e confesso que adorei),  Uma vida inventada da Maite Proença (que foi tema de promoção aqui no blog), Você pode curar sua vida, da Louise Hay (que eu li há uns 15 ou 20 anos, mas na época gostei),  O furacão Elis de Regina Echeverria (que não li, mas lembrou meu amigo e coworker Wagner, fã dela) e tem dois livros do Irvin Yahlom que eu gostaria de ler, O Carrasco do Amor e Mamãe e o sentido da vida (não gamei no Quando Nietzche Chorou, mas li o primeiro capítulo de um destes e gostei muito). Me empolguei, mas, enfim, valia um presentinho casado de dia dos filhos e das mães! 😉

[update] Como eu sou repetitiva: fui ver os dois últimos dias das crianças no blog e o que tem? Boicote a Mattel: no dia das crianças dê livro de presente em 2007 e O que é que o livro tem em 2006. [/update]

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook