Cada sonho que você deixa para trás é um pedaço do seu futuro que deixa de existir

“Cada sonho que você deixa para trás é um pedaço do seu futuro que deixa de existir”
Steve Jobs

Com esse pensamento, de um dos ícones da inovação da atual geração,  o engenheiro Marcos de Lacerda Pessoa apresentou o livro “Pinceladas de Inovação: arte e técnica para soluções criativas”, uma coletânea de textos produzida por estrategistas, empreendedores, gestores e professores.

Ao ser informada sobre o lançamento, conversei rapidamente com Marcos e ele me enviou um dos exemplares para apreciar ainda antes do lançamento formal, que acontece hoje na minha querida Curitiba.

Minha curiosidade era pessoal: meu filho mais velho é calouro do curso de Engenharia de Inovação no ISITEC, instituto do Sindicato dos Engenheiros de São Paulo que pensa no que podemos fazer para nos ajustarmos minimamente a este século!

Tem como errar menos ao escolher uma carreira específica na adolescência?

Ao ler o livro, no entanto, tive uma supresa: quem está lá pensando, estudando e implantando estes novos modelos é a minha geração.

Enfim, nem tudo é Geração Y neste mundo, né? (risos) Talvez alguns sejam até ex-colegas meus, pois frequentei instituições paranaenses e foi lá que me formei.

E aqui mora o segredo da coletânea: cada uma os 8 capítulos foi produzido por um especialista no assunto.

O resultado é uma publicação que, seguindo a delicada referência do título, dá toques e inspirações criativas para quem tem uma ideia criativa, quer desenvolver um projeto diferente e materializá-lo como um produto ou serviço inovador. O conjunto de abordagens reunidas no livro objetiva introduzir o leitor no vasto universo da inovação.

Muita gente pensa que Inovação é um conceito novo, mas Marcos Pessoa começa o livro relembrando como essa postura diante da vida é antiga e, ao mesmo tempo, apoiada em certas práticas positivas humanas. E reforça: quem se dispõe a inovar tem um sonho, uma ideia de fazer algo diferente.

“Inovação é área de vital importância para o sucesso pessoal e profissional e para a sobrevivência das empresas.”

 

No primeiro capítulo do livro, o engenheiro, doutor e PhD por três universidades (de Birmingham, Salford e Massachusetts), aborda os aspectos cognitivos da criatividade e inovação. Na sequência, o economista e reitor da Universidade Positivo José Pio Martins trata da economia colaborativa como uma porta de entrada para a inovação, com um breve e bem feito resumo das “revoluções tecnológicas” que vivemos, lembrando o livro Como chegamos até aqui, de Steven Johnson.

Como ir além?

Li os dois primeiros capítulos do livro e meu caderno de notas está cheio de insights.

Graças à iniciativa de Marcos Pessoa ao reunir estes pensadores, já estou seguindo Hervé Kempf  interessada tanto no seu livro “Como os ricos destroem o planeta” quanto no novo, que achei no seu perfil de Facebook (que bom que leio francês) e estudando Stephen Lebb e buscando novos olhares para coisas para as quais eu achava que já tinha uma opinião formada.

Citando o economista Stephen Lebb em seu livro Fim de Jogo, ele nos leva a pensar além da “sustentabilidade” das palavras, raciocinando o que tem por trás da troca, por exemplo, de energia por eólica. Afinal…

“Só se produz energia com energia. (…) As turbinas eólicas exigem grande quantidade de aço, feito com minério de ferro, e esse mineral também é esgotável”

O resumo? A humanidade pode desaparecer.

Lebb traça um panorama dramático, recheado de dados provados, em que ele mistura a explosão demográfica, o esgotamento das reservas de petróleo, o crescimento econômico dos países pobres e a escassez combinada de energia e alimentos, para demonstrar que, sim, a humanidade pode desaparecer. 

Também economista, mas sobretudo um educador, José Pio Martins traduz para uma linguagem acessível a ideia, com um conjunto de dados e informações usado por Lebb para fazer o alerta.

Há dois fenômenos que, juntos, têm o poder de explodir o consumo: o aumento da população e a redução da pobreza. Quando deixa de ser pobre, o ser humano consome mais de tudo, inclusive e principalmente energia. A Terra tem 7,2 bilhões habitantes e a metade é pobre. Se reduzir a pobreza a 1/3 da população, daqui a 50 anos seremos 6,5 bilhões de não pobres. Segundo Leeb, não haverá energia nem alimentos para todos.

A saída: a população tem de parar de crescer.

O meio: a educação.

Além disso, a humanidade terá de gastar trilhões na pesquisa de novas energias e mudar hábitos de consumo.

E aqui, meus amigos, entra a necessidade urgente de inovação!

Ainda estou lendo o livro, portanto pouco sei dos capítulos seguintes. Mas posso contar que Mauro Carrusca, especialista em inovação, escreve sobre a era da aceleração, mostrando a inovação colaborativa como transformadora e aceleradora de negócios. O administrador Marcos Mueller Schlemm, apresenta o design thinking como facilitador da inovação. A economista Gina Paladino traz uma narrativa sobre economia criativa e novos desafios do desenvolvimento. O texto sobre prospectiva estratégica e inovação na indústria é assinado pela designer industrial Marília de Souza. O engenheiro químico Álvaro Amarante e Danielle Valente Duarte, doutoranda em gestão estratégica, escrevem juntos o texto que tratada da pesquisa-ação: inovação na prática. Fechando o livro, o professor Eduardo Moreira da Costa, enfatiza a máxima “inovar é preciso”.

Gostou? Se você estiver em Curitiba, passe lá no lançamento de Pinceladas de Inovação: arte e técnica para soluções criativas. O evento acontece hoje, 22 de fevereiro (quinta-feira), às 18h30, na Livraria da Vila, Shopping Pátio Batel – Curitiba – PR.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.