Lie to me, Pinóquio!

20130109-151313.jpg

Um dos seriados instigantes que acompanhei nos últimos anos chamava Lie to me. Focado na figura mal humorada de um especialista na detecção de pequenos sinais faciais e de postura física que emitimos quando mentimos, a série policial inovava e trazia um debate interessante sobre o comportamento de quem mente para obter um resultado mais favorável de situações desfavoráveis.

Lembrei dela quando li um estudo realizado por pesquisadores do departamento de Psicologia da Universidade de Granada, na Espanha, que utilizava a técnica da termografia para detectar sinais de mentira.

Curiosamente os resultados lembram outro personagem de ficção que relacionamos à mentira: o menino de madeira Pinóquio. Isso porque ao distinguir áreas de diferentes temperaturas do corpo, os especialistas perceberam que a temperatura facial é alterada quando a pessoa mente. E, de acordo com o estudo, a região do nariz fica mais vermelha porque sofre um aquecimento maior do que outras partes do rosto – criando uma espécie de “efeito Pinóquio”.

Os cientistas também observaram que a temperatura facial aumenta quando a pessoa está ansiosa e que cai quando a pessoa faz um esforço mental muito grande. Segundo os pesquisadores, esses efeitos são provocados pela ínsula, região do cérebro responsável pela coordenação das emoções. Quando as pessoas mentem, a atividade dessa região do cérebro é intensificada, provocando o aquecimento da região do nariz. Contudo, os cientistas não conseguiram explicar o motivo dessa vermelhidão ocasionada pela mentira aparecer justamente no nariz.

Aquela piada com quem fica com rosto vermelho de vergonha não é tão sem sentido assim. A termografia é uma técnica bastante usada para estudar o estado emocional e psicológico das pessoas. Ao detectar alteração da temperatura em diferentes partes do corpo, permite relacionar as sensações corporais com as variações de frio e calor em determinadas regiões do corpo.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook