cidadania / destaque / entretenimento

Quem aí já leu no metrô? 

Eu já aproveitei muito esse tempo “parada” indo ou voltando do trabalho para me aprofundar, concluir estudos ou só me distrair. 

Mas será que ainda tem gente que lê depois dos smartphones? Quem pega ônibus, trem ou metrô nas grandes cidades vê uma maioria de pessoas de cabeça baixa, de olho nas telinhas.

O Bom Dia SP fez uma reportagem simpática sobre o projeto @leituranovagao e aproveito para trazer para cá essa ideia que me lembra muito as estações do Japão, onde é comum achar livros libertos para lermos enquanto nos transportamos.

Eu liberto revistas e livros em locais de espera – hospitais públicos ou entidades como AACD – mas vou separar as próximas doações para essa turma que em 2 anos distribuiu mais de 14 mil livros em metrôs, trens, ônibus e lugares públicos da capital paulista.

Mas se você não tem tempo ou disponibilidade para levar seus livros por conta, como eu, e gostou da ideia do Leitura no Vagão, veja como eles sugerem que a gente colabore:

Arrecadando

Para que mais livros sejam deixados nas estações, doações são sempre necessárias. Que tal fazer uma campanha de arrecadação em seu escritório, em sua empresa, no salão de cabeleireiro, escola!

😊

Doando

Doações podem ​ser combinadas também por e-mail. É legal, eles têm um formato de doação em que escritores enviam suas obras. 
​O Leitura no vagão também aceita doações de recursos financeiros e vende alguns produtos. Saiba mais no site ou faça contato

😉

 

Você pode gostar também de ler:
O cineasta Rafael Primot juntou um elenco incrível pra contar histórias de amor. Com Maria Luisa
Desde que fiz meu primeiro detox digital, num verão há alguns anos, eu tenho descoberto
Como lembrou Francisco Russo no Anime Pop, “o bom anime japonês tem por tradição lidar
Eu vi nascer o Fórum Cristão de Profissionais. Estava no culto num domingo em que
Numa semana em que vi discussões sobre censura, política e fé pública (discutindo se líderes
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas