Lei seca no trânsito

Como tenho um blog chamado Dinner Out com categorias específicas sobre bebidas, dá para imaginar que eu gosto de beber em boa companhia e no momento adequado . Por isso mesmo eu acho certo proibirem o consumo de bebida quando se dirige, a tolerância zero que o Governo pretende que se firme no Brasil. Acho certo, estou me oferecendo para dirigir quando saímos para meu amor ficar mais à vontade, mas a verdade é que para uma lei destas dar certo, precisaríamos de segurança, transporte público, enfim, de um outro país e outra cultura.

Há controvérsias, como a questão do bafômetro representar uma prova contra si mesmo, como mostrava uma matéria no Jornal Nacional nesta quarta.

até quem é responsável por cumprir a medida questiona o que considera um abuso da lei – o uso do bafômetro e do exame de sangue para comprovar a embriaguez do motorista.

O diretor da Academia de Polícia de São Paulo diz que a lei é, ruim, mal feita porque o motorista não é obrigado a produzir uma prova contra si próprio. E prevê uma batalha nos tribunais.

E há uma questão da interpretação da lei, porque a infração que cometemos ao dirigir alcoolizado pode ser administrativa ou criminal.

“É preciso saber se ele está dirigindo o veículo corretamente ou não. Se está corretamente, é pura infração administrativa, não é uma infração criminal. Para ser crime, nós temos que ter um condutor bêbado, um condutor anormal, mais uma condução anormal”, aponta Luiz Flávio Gomes, professsor de Direito Penal.

Não dá para ficar só malhando, a gente deve criticar, mas de forma construtiva e tentar fazer a nossa parte também.  Aqui eu decidi, beber em casa ou perto de casa, para não usar carro. Se estivermos longe, metrô e taxi resolvem. E você, o que está pensando desta polêmica?

P.S. O Eduardo Hoffmann, do blog Motor S.A. escreveu um bom post sobre o tema: Sobre Lei Seca, tolerância zero e bafômetro . E usou uma imagem que vale por várias palavras. 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook