Lei da Cadeirinha reduz a mortalidade infantil

Quando as novas regras para o transporte de crianças entraram em vigor festejei e apoiei a iniciativa aqui no blog. Mas não foi nesta época que meus filhos começaram a usar a cadeirinha, na verdade eles saíram da maternidade com ela e quando tivemos nosso carro roubado (com as antigas cadeirinhas dentro dele), uma das primeiras providências que tomamos foi comprar novas e ajustar modelos e tamanhos aos nossos menininhos crescidos.

Agora já temos dois mocinhos que não precisam mais de adaptações e, por terem mais de 1,45m e/ou 35kg, já podem usar os cintos de segurança comuns. Nossa busca agora será por uma nova cadeirinha (porque a original, dos meninos, foi doada há muito tempo) para a bebê que esperamos e chegará já com toda segurança para sair de carro com a família.

Leia também: Ano novo, cadeirinha nova

Infelizmente, eu ainda vejo pessoas que transportam crianças e até bebês “soltos” no carro, sem qualquer condição de segurança, algumas vezes até no banco da frente! No geral, estes pais irresponsáveis dizem que o fazem porque a viagem é curta, não vão longe, a criança é tranquila e fica quieta ou que acreditam não ser perigoso.

Para estes eu gostaria de poder mostrar os dados  da “Avaliação Preliminar do Impacto da Lei da Cadeirinha Sobre os Óbitos de Menores de 10 anos de Idade no Brasil”, elaborada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Segundo a pesquisa, as principais vítimas fatais são crianças de até dois anos – dos óbitos registrados no período de setembro de 2005 a agosto do ano passado, 32% foram de crianças nesta faixa etária.

“Os pais e responsáveis pela criança nunca podem esquecer que a lei deve ser respeitada todos os dias. No mesmo período, 42,5% dos óbitos aconteceram nos fins de semanas e 23,9% nos meses das férias escolares.”

Leia também: De hoje em diante, cadeirinha no carro é item obrigatório

Como o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, comenta no vídeo abaixo, as mortes de crianças de até 10 anos de idade que estavam sendo transportadas em automóveis reduziram 23%, após um ano da entrada em vigor da Resolução nº 277, de 28 de maio de 2008, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), conhecida como Lei da Cadeirinha.

Sempre vale lembrar o que a Lei da Cadeirinha regulamenta. Ela obriga o uso de dispositivos de retenção para o transporte de crianças em veículos, a saber: 

  • Crianças até 12 meses devem ser transportados no bebê-conforto
  • De um a quatro anos, devem viajar em cadeirinhas próprias para crianças
  • Já entre quatro e dez anos de idade, o ideal é que utilizem o booster (assento elevatório)
  • O cinto de segurança do veículo deverá ser usado diretamente por com idade superior a 10 anos

A imagem abaixo ajuda a compreender melhor estas regras:

O descumprimento da norma prevê multa gravíssima de R$ 191,54, além da perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e retenção do veículo até que o assento seja colocado.

Vale se informar, ver dicas para direção segura no transporte de crianças e não deixar de transportar nossas crianças com segurança mesmo que em trechos curtos. Afinal, criança só no banco de trás.

Posts relacionados:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook