Law & Order ou CSI?

No noticiário de ontem à noite e hoje de manhã vi mais das mil repercussões do o caso Isabella Nardoni. Tenho evitado acompanhar o caso pela TV porque não queria que os meninos escutassem, ainda mais depois do episiódio do metrô com o Giorgio, mas hoje acabei vendo parte das conclusões da TV Globo. Como disse o Gui, eles estão fazendo um verdadeiro episódio de Law & Order SUV deste caso, com detalhes de CSI. Mas o furor da mídia não tira o mal estar que traz notar as evidências de que o pai e a madrasta se contradizem, vizinhos se apresentaram com testemunhos irrefutáveis e e a sensação de luto novamente por constatar que realmente o pai pode estar muito envolvido e conta com o silêncio dos avós, tios, todo mundo! Não gosto de julgamentos precipitados, mas não deixo de pensar neste caso que precisamos rever nossos conceitos, repensar se vale a pena forçar a convivência de pais e filhos arriscando as crianças a uma experiência de vida nociva! Há que se pensar e muito em como nós contribuímos com nossas cobranças sociais para a manutenção de um modelo de convivência que não é feliz nem construtivo.

P.S. O episódio do metrô: na semana passada o “circo” (a confusão que a mídia criou sobre o caso) chegou até nós. Estava no metrô com os meninos, no vagão para idosos/grávidas/etc e uma senhora me perguntou a idade o Giorgio. Ao ouvir 5 anos, soltou: “é mais ou menos a idade da menina (Isabelle), eu só queria ter uma noção do tamanho da criança para ser jogada. Então acho que não foi a madrasta, precisava mesmo da ajuda do pai!” Aguentei por 3 estações um burburinho desagradável que colocava meu filho na berlinda, como possível vítima e, confesso, foi bem desagradável. Minha defesa foi me manter neutra para não dar corda. Talvez seja a defesa da mãe da vítima (sobre a qual Lunna, psicóloga de formação, tratou num post), mas de fato deveríamos todos nos ocupar de outras coisas. Mas a turba continua animada com o espetáculo.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook