Jornalismo na era digital

ciranda.jpgAdoro minha profissão, mas admito que até hoje vejo aquele desânimo e sinto a “solidariedade misericordiosa” das pessoas comuns quando ficam sabendo que não trabalho na televisão. O jornalismo se tornou uma atividade basicamente televisiva para a maior parte da nossa iletrada população e eu entendo, por isso não dou bola, nem defendo outros veículos, nada, simplesmente respondo onde trabalho, confirmo que nunca trabalhei na televisão e dou um jeito de por “ponto final” no tema.

Amo TV, mas é absolutamente lazer para mim… quando trabalhamos com algo, a coisa se torna tão automática que não conseguimos mais relaxar. Há anos não leio revista alguma com isenção, estou sempre com olhar crítico e o prazer se vai, por isso fico feliz que a televisão seja minha alienação assumida.

Mas não deixei de sentir certo prazer ao ler o Bruno Rodrigues exaltar a Coragem de Fátima Bernardes que assumiu numa entrevista com Marilia Gabriela que não gosta de trabalhar com internet. Isso redime “a moça aqui” que gosta de mídia impressa – de preferência só “virtualmente” impressa. E deixa um espaço, como lembrou Bruno, para toda uma geração de profissionais de mídia que podem se especializar no que gostam ao invés de fingir que “jogam nas onze”. Tudo sem um pingo de culpa e – espero – quase sem preconceito.

Mas fazer jornalismo on line é uma tarefa árdua e exigente, porque é uma metamorfose constante, um desafio diário. Tudo muda todo dia, a atualização que se exige é imensa e somos levados por uma cyberchase sem fim, com widgets, redes sociais, tags e novos modelos para tudo surgindo diariamente. Ceila escreveu sobre o tema na terça (para a primeira edição da Ciranda de Textos do André Deak) falando do jornalismo on-line e ressaltando a diferença entre jornalista que atualiza site e o que faz jornalismo online, aquele que, nas palavras dela, “reduz a distância entre o que se quer ler e o que se escreve. E quem pode falar tão bem sobre o estreitamento de relações na blogosfera do que a Ceila, que criou uma rede de mães e pais blogueiros no Desabafo de Mãe?

P.S. Lendo a Marjorie e o “esporro” da Ana dizendo que Wikipedia não é fonte”, vejo que apesar de ser redundante, precisamos falar do jornalismo – on line ou não. Imaginem a CartaCapital dar uma notícia de capa sobre Kaká e Renascer (não li a matéria, só a repercussão) sem ouvir de fato a família, só com base nas notícias. Puxa, precisamos melhorar.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.