mãe

Como contei há um tempo aqui, meus filhos estavam ansiosos por ganhar um videogame e optamos por um wii, que permitiria que eles jogassem fazendo alguns dos movimentos do esporte praticado. Não é perfeito como numa propaganda futurista, mas realmente eles suam a camisa jogando. Além da parte “meio fisica”, os esportes no videogame ensinam as crianças a aprender a seguir regras, a não desistir fácil – sempre dá para tentar de novo! – e a trabalhar em equipe.

Depois das Olimpiadas de Inverno em Vancouver neste ano um dos jogos favoritos no wii aqui em casa foi o Curling. Até então eu mal sabia do se tratava, mas ao ver nos canais esportivos os meninos me deram uma aula sobre as regras, os objetivos e até a história do jogo – tudo graças aos torneios virtuais que fizeram com Tails, Wario e Princesa Daisy. E eis eu ganhei convites para jogar Curling na pista que estava num shopping de São Paulo e num domingo de agosto nós comprovamos este conhecimento todo.

Nas fotos vocês podem ver nossos técnicos (Enzo, Giorgio e Carol, filha de Simone e Carlos Miletic que nos acompanharam no jogo) estavam radiantes e como nós até que não fizemos feio.

O mais interessante e o que realmente me motivou a escrever aqui foi mostrar que não vale a pena demonizar o videogame e o mundo virtual, tampouco deixar de viver o lado real e offline dos esportes. Sempre que possível, quando percebemos interesse das crianças em esportes no videogame ou no computador, podemos direcionar este interesse para a prática esportiva.

Se até eu consegui uma pista de curling, pensem na facilidade de se encontrar um espaço para treinar os dribles de futebol, aproveitar o interesse por jogos de tênis ou mesmo as habilidades como espadachim em aulas de kendô ou esgrima. E até para quem gosta de corrida de carro tem pistas de kart que podem ser um estímulo para sair de casa e passar bons momentos em família.

😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas