Inverno com jeito dândi

Viram as fotos? Recebi da assessoria da Damyller e me fizeram pensar no que vem por aí no inverno. Gostei dos cenários inspiradores, peças com acabamentos impecáveis, sofisticação e classe. E o toque cultural de lembrar Oscar Wilde na coleção que diz se inspirar no dandismo, da mulher que toma conta do guarda-roupa masculino e brinca com a mistura entre peças tipicamente masculina e outras super femininas.

Assim, uma saia balonê (aquela que eu insisto que nenhuma mulher deveria usar!) aparece com suspensórios num jogo de fortes misturas. Estes jogos nem sempre funcionam, mas a mistura de boa alfaiataria e o jeans detonado sim! Minha amiga @vanguarda tinha cantado a bola há tempos: blazers perfeitamente construídos voltam com tudo (adoro!) e estão por aí também as malhas sem acabamentos, ambos mesclados a elementos que exalam feminilidade.

Plush e jeans detonado também me agradam, dão conforto e leveza. O mesmo pensei das cores, mais sóbrias com marinho, natural, bege, bordô, nude, mesclas e cinzas, com aquele jeito de inverno londrino, trazendo o que intuitivamente chamamos de bom gosto, finesse. Nos acessórios, chapéus estilo Fedora, suspensórios e lenços em flanela na padronagem xadrez (espero que não seja aquele estilo faixa de gaza, em preto e branco, que cansou no inverno passado, né gente?).

É esperar para ver se teremos um inverno de fato da capital paulista- dizem que, continuando o fenômeno La Niña, o inverno será 2 graus mais quente – para podermos usar parte destes belos looks. 😉

P.S. Lembram dos ícones dândisOscar Wilde, Beau Brummell, Peter Doherty. O termo surgiu para denominar o homem de bom gosto e senso estético muito acima da média – mas que, coisa importante na época de Wilde e Bummell, não pertencia à nobreza, sendo mesmo assim um cavalheiro perfeito, mas é igualmente um homem que escolhe viver a vida de maneira leviana e superficial.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook