Intercâmbio de 7 a 17 anos

feira_flyer

Sempre fui agitada e me enchia de atividades sem parar, desde criança. Quando eu era adolescente, com menos de 18 anos, enquanto esperava meu intercâmbio para Roterdã, na Holanda, acontecer, me envolvi como voluntária num programa de intercâmbio. Era natural fazê-lo afinal, nos dois anos anteriores, eu praticamente só convivia com estrangeiros que faziam intercâmbio no ensino médio na minha cidade, numa rede que começou com uma amiga na escola (uma americana do Colorado que é minha amiga até hoje). Curiosamente mesmo muito jovem eu conversava muito com pais de jovens que, como eu, pretendiam fazer intercâmbio no exterior, animando-os a deixarem os filhos desbravarem o mundo.

Não por acaso casei com alguém que tinha o mesmo sonho de viajar para descobrir novas culturas e morávamos no exterior quando engravidei do meu primeiro filho. Treze anos depois é este menino, que tem um pé no Oriente e outro no Brasil que fala em fazer intercâmbio e em cursar faculdade fora do país. Filho de peixe, peixinho é.

Se eu sonhava em aprender inglês na Oceania, aprender história da arte nos museus da Europa, estagiar no EUA, imagine ele, que nasceu num mundo verdadeiramente globalizado. Com a internet, que engatinhava quando saí do Brasil, as famílias não só ficam conectadas como podem vivenciar quase todo do processo junto com o intercambista, o que acalma muito o coração e a ansiedade dos pais e deixa os filhos mais seguros com suas escolhas e seus primeiros voos para longe do ninho.

E para quem pensa que é cedo para meu filho que mal entrou na adolescência, vale lembrar: quanto mais cedo se aprende e se treina um novo idioma, mais natural ele será e maior a desenvoltura com que se fala e escreve. A cada ano as oportunidades de viagens para o exterior ampliam a faixa etária, incluindo facilmente a família toda (e este é um projeto que queremos fazer aqui breve) e atendendo crianças a partir de 7 anos.

Parte desta gama de atividades pode ser conhecida e desmistificada na feira Feira de Intercâmbio de 7 a 17 anos, um evento organizado pela CI – Central de Intercâmbio e focado especialmente em intercâmbio para crianças e adolescentes desta faixa etária e que acontecerá nas cidades de São Paulo, Ribeirão Preto, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, entre os dias 6 e 13 de abril, com entrada franca.

Já estive em feiras assim palestrando sobre uso de redes sociais para aproximar as famílias durante a viagem e sei que a presença de mais de 30 escolas de diversos países ajuda muito as famílias em suas escolhas. O atendimento personalizado dá a chance aos pais tirarem suas dúvidas com os próprios representantes de cada uma das escolas e a CI – Central de Intercâmbio garante a presença de tradutores para auxiliar no atendimento. Lá é possível, por exemplo, conhecer os programas de intercâmbio para viajarem durante as férias da escola (Intercâmbio Teen) ou para fazerem o colegial no exterior (High School), nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e muito mais.

E, como contei, as palestras informam sobre programas de intercâmbio e também sobre os países nos quais a CI – Central de Intercâmbio oferece esses programas. Sei que aqui em São Paulo uma das palestrantes será Bruna Vieira, blogueira no Depois dos Quinze, que vai contar como foi sua experiência . Conheço-a pessoalmente há um tempo e acompanhei pelas redes sociais suas escolhas para este intercâmbio, bem como a viagem que ela fez, que pude “ver” em posts, fotos e sentimentos. Ver e ouvir uma mineirinha doce e encantadora como ela contando como foi realizar os sonhos e ganhar o mundo é um alento e certamente entusiasmará pais e filhos a pensarem com carinho em viagens assim.

😉

Se a ideia de oferecer uma visão contemporânea de mundo e ao mesmo tempo agilizar o aprendizado de idiomas é um dos seus planos para seus filhos, indico a visita a uma das feiras. Veja no site ci.com.br/feira informações detalhadas de datas e locais.

20120706-082331.jpg

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook