Impressionismo, Paris e a Modernidade

Os pintores impressionistas encontram na cidade de Paris o grande emblema da modernidade. Mesmo quem nunca viu as cenas urbanas parisienes com os grandes bulevares, as pontes sobre o rio Sena, as estações de trem ou a torre Eiffel pode ver nas pinturas a vida que pulsa de uma forma diferente. 

Impressionismo-Paris-Modernidade-Obras-do-Musée-d'Orsay

Ganhei um presente único nesta semana: a visita guiada e exclusiva à exposição Impressionismo, Paris e a Modernidade. Como brasileira já me sentia acarinhada e presenteada por saber que o acervo que estava nas paredes (normalmente o que se manda para outros países são as obras guardadas, não as mais valiosas que constam das paredes) do famoso Musée d’Orsay em Paris.

Mesmo tendo visitado a cidade eu não tinha ido ao museu, apesar de ser uma fã incorrigível deste período artístico. Paris tem um significado especial para quem gosta de estudar este movimento do homem moderno que rompeu com os sistemas anteriores à revolução industrial. Por conta da Revolução Francesa, que alterou o modo como os países e os cidadãos pensavam na governabilidade (criando as raízes da igualdade entre os cidadãos, sem as diferenças de direitos que as monarquias perpetuavam até então), a França sempre se posicionou com uma visão de vanguarda no pensamento, o que resultou em movimentos artísticos que quebraram paradigmas na virada do século XIX.

Este período de de 1848 a 1914, não por acaso, foi um dos períodos mais fecundos da história da arte universal e a exposição na qual podemos ver 80 obras-primas do Museu d´Orsay narram os encontros e desencontros entre a pintura e a cidade moderna.

Considero importante pontuar este momento antes de convidar os leitores a viajarem comigo nesta exposição. Se você tem como vir para São Paulo (ou ir para o Rio, para onde a exposição depois de fechar aqui em outubro), não deixe de fazer esta viagem e de aproveitar. São quatro andares ambientados de forma a repetir as cores e o clima do próprio museu em Paris, com obras organizadas por andar, refletindo em cada um o viés especial do momento impressionista, de seu nascimento (quando da primeira exposição, na qual o nome impressionista era uma crítica aos artistas acusados de serem exibidos em suas ideias novas) até sua mutação em novos movimentos, como o fauvismo e o pontilhismo.

exposição-apresenta-obras-Camille-Pissaro-Claud-Monet-Edgar-Degas-Edouard-Manet-Henri-Toulosse-Lautrec-Paul-Cézanne-Paul-Gauguin-Pierre-Auguste-Renoir-Vincent-Van-Gogh-entre-outros-mestres-com-curadoria-Guy-Cogeval-presidente-do-Museu-d’Orsay-Caroline-Mathieu-conservadora-chefe-do-Museu-d’Orsay-e-de-Pablo-Jimenez-Burillo-diretor-geral-da-Fundación-Mapfre.
A exposição apresenta as obras de Camille Pissaro, Claude Monet, Edgar Degas, Edouard Manet, Henri Toulosse-Lautrec, Paul Cézanne, Paul Gauguin, Pierre-Auguste Renoir e Vincent Van Gogh, entre outros mestres, com curadoria de Guy Cogeval, presidente do Museu d’Orsay; Caroline Mathieu, conservadora chefe do Museu d’Orsay e de Pablo Jimenez Burillo, diretor-geral da Fundación Mapfre.

Foi uma simpatia e uma grande honra poder passear pelo espaço num dia em que normalmente o espaço cultural está fechado, ouvindo comentários interessantes e construtivos de Roberta Saraiva Coutinho, diretora executiva da Expomus, que nos concedeu muitos momentos de conversa livre e agradável sobre arte no Brasil e no Mundo. Responsável não só por este presente para o Brasil, mas também pelo recente prêmio que foi recebermos no país as obras de Portinari Guerra e Paz, Roberta nos deu uma aula de história da arte com leveza, simpatia e sutileza, uma cortesia extra da Cielo, que, através de sua assessoria me convidou e me permitiu indicar nomes de blogueiros interessados em arte e disponíveis para este passeio em plena tarde de segunda-feira.

Impressionismo-Paris-Modernidade-Obras-do-Musée-d'Orsay-exposição-impressionistas-franceses - avidaquer -samegui

No final de semana eu vou voltar, enfrentando fila com sorriso no rosto por saber o que poderei rever. E espero que você, leitor, também separe um tempo na sua agenda corrida e passe lá! A exposição fica em São Paulo até 07/10/2012 em horários bem interessantes: terça a quinta, das 10h às 22h, sexta, das 10h às 23h e sábado e domingo, das 8h às 23h. O CCBB-SP fica na rua Álvares Penteado, 112, Centro.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook