75% dos idosos usam apenas o SUS

“O racismo ainda persiste durante o envelhecimento”, afirma o doutor em saúde pública e gerontologia pela USP Alexandre da Silva. Há 20 anos, ele pesquisa temas relacionados à velhice da população negra e identificou marcas profundas da desigualdade nessa fase da vida.”

Este excerto me lembrou de um aviso que recebi, como jornalista, do Ministério da Saúde no dia do idoso.

Os idosos representam 14,3% dos brasileiros, ou seja, 29,3 milhões de pessoas.

Em 2030, o número de idosos deve superar o de crianças e adolescentes de zero a quatorze anos.

Em sete décadas, a média de vida do brasileiro aumentou 30 anos saindo de 45,4 anos, em 1940, para 75,4 anos, em 2015.

O envelhecimento da população tem impactos importantes na saúde, apontando para a importância de organização da rede de atenção à saúde para a oferta de cuidados longitudinais.

Como cuidar desta parte da população? Podemos partir do que sabemos:

  • As doenças crônicas não transmissíveis atualmente afetam boa parte da população idosa.
  • De acordo com pesquisas anteriores promovidas pelo Ministério da Saúde, 25,1% dos idosos tem diabetes, 18,7% são obesos, 57,1% tem hipertensão e 66,8% tem excesso de peso.
  • Também são responsáveis por mais de 70% das mortes do país.

E continuar mapeando essa parcela da população ajudará a planejar, criar, manter e expandir as políticas públicas que podem ajudar.

Por isso achei o Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil) valioso. Ele faz parte de uma rede internacional de grandes estudos longitudinais sobre o envelhecimento e traz informações sobre como a população está envelhecendo e os principais determinantes sociais e de saúde. A ideia é que esse estudo traga subsídios para a construção e adequação de novas políticas públicas para fortalecer a saúde do idoso.

Vejam o que o estudo levantou:

  • 75,3% dos idosos brasileiros dependem exclusivamente dos serviços prestados no Sistema Único de Saúde
  • 83,1% realizaram pelo menos uma consulta médica nos últimos 12 meses
  • nesse período, 10,2% dos idosos foram hospitalizados uma ou mais vezes
  • quase 40% dos idosos possuem uma doença crônica
  • 29,8% possuem duas ou mais como diabetes, hipertensão ou artrite
  • cerca de 70% dos idosos possuem alguma doença crônica

“Nós temos que cuidar da saúde dos brasileiros desde a infância para que eles tenham uma vida cada vez mais saudável. Isso significa voltar nossas ações para uma alimentação saudável, para a promoção de atividades físicas, inibir o consumo do álcool e do tabaco, e ainda para as pessoas com idade acima de 60 anos, oportunizar o diagnóstico de doenças de forma cada vez mais precoce. É dessa maneira que podemos oferecer à nossa população um envelhecimento saudável”, afirmou o Ministro da Saúde, Giberto Occhi.

O que seus candidatos (não falo dos candidatos a presidente, mas ao governo estadual, assembleia legislativa, câmara e senado) dizem sobre este tema?

 

P.S. Uma descrição sucinta do ELSI-Brasil foi publicada na revista The American Journal of Epidemiology: Lima-Costa MF, de Andrade FB, de Souza PRB, Neri AL, de Oliveira Duarte YA,Castro-Costa E, de Oliveira C. The Brazilian Longitudinal Study of Aging (ELSI-BRAZIL): Objectives and Design. Am J Epidemiol. 2018 Jan 31. doi: 10.1093/aje/kwx387.
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook