I want to know if my hair is just like yours…

Reprodução de site, foto de Pete Souza (White House)
Reprodução de site, foto de Pete Souza (White House)

Para quem não entende o significado de termos representantes que tenham a nossa cara (e a nossa cor): a imagem do menino que pediu para tocar o cabelo de Obama para ver se era igual ao dele.

Talvez só os mestiços ou as minorias (grupo do qual eu faço parte) compreendam perfeitamente, mas garanto que este é um diferencial para a autoestima de um povo.
🙂

“Eu quero saber se o meu cabelo é igualzinho ao seu”, ele disse para o Obama, tão baixinho que o presidente pediu para ele repetir.
Jacob repetiu, e Obama respondeu, “Por que você não toca e vê por si mesmo?” Ele abaixou a cabeça, deixando-a na altura de Jacob, que hesitou.
“Toque, mocinho!”, Obama disse.
Quando Jacob tocou a cabeça do presidente,… [o fotógrafo da Casa Branca Pete] Souza fotografou.
“Então, o que achou?”, Obama perguntou.
“Sim,  é igualzinho,”, disse Jacob. 

Minha tradução é bem livre e quem quiser pode ler o original aqui, onde consta a história do garoto que, 2m 2009, esteve com o pai na Casa Branca. O que vale é a mensagem de empoderamento de uma parcela da população que já se agrediu ou mutilou para parecer com os outros, mas hoje pode se orgulhar porque é igual a quem importa.

E fica a mensagem para nós, brasileiros, que, embora não sejamos tão preconceituosos quanto à cor da pele, ainda nos deixamos levar por bobagens como regionalismos, sexismo e orientação religiosa ou sexual no nosso julgamento de valores.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook