App conecta compradores a viajantes e paga comissão por encomendas

Desde que o @avidaquer surgiu, eu gosto de trazer para cá provocações que abram nossa cabeça para novas formas de viver e trabalhar. E, admito, no geral tem pouco de novidade e muito de voltar ao que nossos avós e bisavós faziam, mas com novas ferramentas, como, por exemplo, a tecnologia móvel.

Há alguns dias falei do Worldpackers, plataforma que conecta anfitriões a viajantes interessados em trocar habilidades por acomodação.

Você sabe o que é work exchange?

E eu sempre comento que sou usuária do AirBnB, que mudou a forma como as pessoas se acomodam em viagens. Nem toda novidade, no entanto, é absorvida como foi com Uber ou Netflix… algumas coisas, como CarSharing, ficam mais populares lá do que cá. Mas o fato é que a era de ser dono das coisas acabou e cada dia mais aproveitamos a vida, vivemos cada dia e cada oportunidade. Esse é um diferencial que eu considero bem positivo dos tempos atuais.

The era of ownership is ending

O que trago nesta semana é uma proposta nesta linha: uma plataforma que conecta compradores a viajantes, possibilitando que usuários encomendem produtos à pessoas que estão em viagens internacionais.

Grabr tem uma premissa interessante, mas que muita amiga minha não conseguiria cumprir: usar o espaço livre de suas bagagens!

Mas a ideia é boa: viajantes monetizam suas viagens através do programa de recompensa, ou seja, ao trazer produtos dentro do espaço livre de suas bagagens, o usuário recebe uma bonificação, tornando sua experiência única de troca cultural e financeira.

Criada em 2015 em São Francisco – EUA pelos russos Daria Rebenok e Artem Fedyaev, a empresa teve no ano passado um faturamento de cerca de 7 milhões de dólares e agora chega a América do Sul onde enxerga um grande potencial de mercado. Neste mês de março, recebeu um aporte de US$ 8 milhões da Foundation Capital e agora segue em franca expansão para tornar a empresa cada vez mais forte no mercado brasileiro. Presente em 120 países e agora também no Brasil, a Grabr hoje possui ao redor do mundo mais de 350 mil usuários entre compradores e viajantes.

Não usei ainda, mas aqui tem alguns depoimentos:

O que achei útil?

Encontrar com rapidez o que quero ou preciso, comprar sem esperar muito e, de quebra. evitar pedir favores para amigos ou parentes.

Quem nunca pediu para um amigo que vai viajar ao exterior um produto importado com o intuito de economizar com fretes e até impostos? O problema é que, além da possível demora em encontrar alguém que vá viajar ao local onde o produto é vendido, ainda há o risco de o viajante não ter espaço na mala para trazer a encomenda.

Como funciona?

  • Quem deseja que um usuário do site traga produtos lá de fora deve postar o pedido no site, apontando as características do produto e quando gostaria de recebê-lo. Também é necessário definir um valor que será dado como comissão ao viajante por comprar e transportar o produto. Depois, basta aguardar o contato de quem tem viagem marcada para os lugares onde o produto é vendido.
  • Apesar de o consumidor sugerir o preço que quer pagar como comissão, cada viajante pode anunciar a sua oferta: basta que o usuário aceite a que for mais adequada.
  • O Grabr torna a escolha mais segura ao permitir que usuários avaliem viajantes e consumidores. O site também oferece um serviço de mensagens para que consumidores e viajantes tirem eventuais dúvidas, que serve como prova dos acordos feitos pelo site.
  • A partir do momento em que o comprador aceita que um viajante compre e entregue o produto, deve combinar quando e onde o item será entregue.
  • A cobrança do valor da compra é feita pelo Grabr assim que o consumidor confirma a preferência pela oferta de um determinado viajante, mas o pagamento somente é liberado quando o consumidor confirma a entrega da encomenda e que o produto está em boas condições.
  • O Grabr aceita pagamentos com cartões Visa e Mastercard e também via Pay Pal. Para intermediar as transações, cobra taxa de 7% sobre o valor da compra.
  • O pagamento por compras entregues a usuários do site é feito pelo Grabr por meio de transferências realizadas pelo sistema de pagamentos Pay Pal. O dinheiro cai na conta do viajante três dias após a confirmação da entrega do pedido. Recebido o valor, ainda é necessário transferir os créditos recebidos no Pay Pal para uma conta no banco, o que leva mais três ou quatro dias.
  • Caso o produto não seja entregue, usuários devem entrar em contato com o suporte do Grabr para ter o dinheiro de volta.
  • No topo de produtos pedidos no Grabr estão os iPhones 6 e 7, além de outros smartphones e eletrônicos. Roupas de bebês, medicamentos e bicicletas também aparecem entre os produtos pedidos no site, que tem apenas uma versão em inglês.

Acompanhei vários updates nas redes sociais deles e, infelizmente, tem muita reclamação, mas também muitas respostas deles. Como é bem novo, temos que acompanhar e, pelo menos eu, não arriscaria com coisas de muito valor nas primeiras experiências.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.