Geração Z, quem são eles?

Como a Geração Z está mudando a maneira como as pessoas se comunicam todos os dias?
Estive com as youtubers Valentina Schulz  (@schulzvalentina, a menina do Masterchef Jr.) e Marisa Santina (@marisaantina mãe de duas vlogueiras, @niinasecrets e @fabisantina) para conversar sobre a horizontalidade das relações de pais e filhos.

O convite foi da Bauducco Wafer Maxi + Ovomaltine, numa parceria com a WGSN (maior autoriade mundial em previsão de tendências), que apresentou um mapa de tendências de consumo para os nascidos entre 1994 e 2009.

Em 2015, quando a pesquisa foi divulgada, a conta dizia que eram aproximadamente 2 bilhões de Zs no mundo e que nos 5 a 7 anos seguintes eles seriam o maior grupo atuante no mundo. No Brasil, eles já são 41 milhões, com poder de gerar algo como $35 bilhões por ano, na economia. A Geração Z será a grande responsável pelas mudanças comportamento que vamos ver acontecer no mundo.

No papo, Beatriz Modolin, consultora da WGSN Mindset, apresentou, além das dez tendências de consumo para esse público, o estudo determina quatro características destes jovens que hoje, 2016, têm até 19 anos.

Quem são eles?

Nunca foi tão normal ser diferente. Os Z têm uma

São pluralistas

Nunca foi tão normal ser diferente. Os Z têm uma “tolerância” que muita gente acredita que vai fazê-los derrubar fronteiras. Essa geração compreende e aceita a mistura de identidades, etnias, gêneros, religiões e classes sociais. Os especialistas enfatizam que “se fortalece a sexualidade fluida“, mas eu prefiro focar no ponto que acho mais legal:”menos julgamento dos outros” e “liberdade de ser quem você quiser ser“.

Se atitudes como maltratar pessoas por conta da orientação sexual ou por causa da cor da pele são condenadas duas vezes mais por jovens entre 18 e 29 anos do que por indivíduos acima de 40 anos, avaliem como será com a geração Z?


Uma geração que sabe, lá na alma, que veio ao mundo com um propósito. Não está aqui de passagem. Cada um acredita que tem um papel importante na mudança e na preservação do meio ambiente e da comunidade. Eles ajudam o próximo, se preocupam, fazem pelo outro sem pedir nada em troca. Simplesmente porque sabem que o outro é tão importante quanto eles. Assim, sem explicação nenhuma.

São clickativistas

Essa é minha parte favorita. Uma geração que sabe, lá na alma, que veio ao mundo com um propósito. Não está aqui de passagem. Cada um acredita que tem um papel importante na mudança e na preservação do meio ambiente e da comunidade. Eles ajudam o próximo, se preocupam, fazem pelo outro sem pedir nada em troca. Simplesmente porque sabem que o outro é tão importante quanto eles. Assim, sem explicação nenhuma.

 

 

 

 

 

 

Quantos casos você já não leu em matérias de crianças que juntaram sua mesada pra fazer algo em prol de outras? É bem por aí.

 

Segundo a Sparks & Honey, 60% dos Zs dizem querer fazer a diferença no mundo – contra 39% dos Millennials (ou Geração Y, nascidos entre 1979-1993).

E claro que os ativistas Z utilizam suas redes sociais para propagar e organizar suas causas.

Dizem que a infância termina mais cedo, aos 12 anos e que isso seria característica dos Zs porque eles preferem os gadgets aos brinquedos tradicionais.

São pequenos grandes adultos

Dizem que a infância termina mais cedo, aos 12 anos e que isso seria característica dos Zs porque eles preferem os gadgets aos brinquedos tradicionais.

 

 

 

 

 

 

Mãe de dois Zs e uma Alpha (a geração nascida a partir de 2010 já tem nome!), eu discordo. Acho que eles só param de brincar porque a sociedade toda para de dar este espaço e estímulo (leia meu texto anterior, sobre a “tirania do empreendedorismo” para entender). E também acho que a gente não tem a menor ideia do que é crescer tendo tudo isso (internet na palma da mão, por exemplo) à disposição.

 

Chamados de dispersos, eles na verdade são seletivos e rápidos no julgamento. É o que afirma o estudo com o que chamou de “filtro de 8 segundos”. Como a primeira geração nascida com a tecnologia, seus cérebros são capazes de processar informações mais rápido. Por isso, é preciso captar sua atenção o quanto antes .

Decidem se vale a pena em 8 segundos

Chamados de dispersos, eles na verdade são seletivos e rápidos no julgamento. É o que afirma o estudo com o que chamou de “filtro de 8 segundos”. Como a primeira geração nascida com a tecnologia, seus cérebros são capazes de processar informações mais rápido. Por isso, é preciso captar sua atenção o quanto antes .

Neste ponto, Marisa, que tem filhos jovens (Millennials, mas jovens) e Valentina, que tem 13 anos, concordaram: é curta a janela para ter a atenção destes meninos e meninas. Vejo isso aqui em casa e acho que é um desafio interessante: a cada dia sou mais criativa!

Só que nem todo mundo quer ser criativo, né? Então escola e logo o mercado de trabalho vai se incomodar muito com eles!

Um emoji fala mais que mil palavras é o lema dessa galera. A comunicação é visual e não por palavras.
Um emoji fala mais que mil palavras é o lema dessa galera. A comunicação é visual e não por palavras.

Achei engraçado porque, quando se falou em uso de redes sociais, enquanto a consultora falava que eles são atraídos por imagens, criam memes, usam emojis, stickers e rabiscos para se comunicarem principalmente em canais do youtube e aplicativos, meu filho Giorgio e Valentina, ambos com 13 anos, concordaram. Mas na parte do uso das redes sociais, não.

A menina, filha de publicitaria, disse que os pais usam mais o Facebook do que ela, que prefere Snapchat. Meu filho, que teve sua infância narrada em textos no meu blog e instagram, que é reconhecido na rua desde pequeno e já teve vlog de literatura infantil e de gameplay do qual cansou antes de fazer 10 anos e isso virar moda, acha snapchat e instagram muita exposição.

Mas sim, os carinhas da Geração Z têm uma coisa em comum: eles pensam mobile, por isso, é tão importante ser responsível, funcionando em várias plataformas. Quanto mais fácil for a experiência, mais eficaz. 

Meu filho gosta de editar vídeos, portanto, para ele a produção interessa. Mas o estudo e a menina Valentina tinham outro ponto de vista: a Geração Z quer criar e ver pessoas que criam com cada vez menos produção ou glamour.


Por isso, valem produtos customizáveis e deve-se prestar atenção no fenômeno dos youtubers: nos Estados Unidos eles já são mais admirados do que celebridades da TV e do cinema. E por aqui também. Os youtubers fazem o que eles querem fazer e mais, ensinam eles com os tutoriais. Conversam. Estabelecem relação.

E fazem parecer fácil para qualquer um e todos criarem também. Será por isso que ser youtuber é o novo “jogador de futebol” ou “modelo e cantora”? Qual o caminho para o sucesso?

Os memes são interessantes pois qualquer um pode criá-los e virar uma webcelebridade instantaneamente. Qualquer grande evento ou premiação, é fonte para criação. Seu caráter efêmero e seu humor non sense são suas principais características. Existe um humor ácido.

Enfim, eles são diferentes e quando se tiverem realmente poder de decisão, vão fazer grandes mudanças sociais.

Geração Tsunami

Eles não têm o dinheiro como principal motivação!

Conhecidos também como geração tsunami, são nativos digitais, mais seletivos com as marcas e conscientes para consumir.

A consultora da WGSN Mindset foi enfática nisso que eu acho um diferencial valioso:

“Essa geração é mais realista, tolerante, auto-suficiente, conectada e consciente. Marcas que buscam se conectar a elas precisam entender isso. Personalização e colaboração é o mínimo que eles esperam desta relação. E eu completo dizendo que não só marcas como qualquer um que queira falar com eles, isso inclui, principalmente, pais, precisa falar COM eles e não PARA eles. O contato, a comunicação, precisa ser verdadeira. De fato.”

Há alguns diferença sutis dos Millennials, os jovens da Geração Y que foram tão exaltados nos últimos anos e agora estão entre os 20 e 29 anos.

(sim, até eles ficaram velhos e não são mais a menina dos olhos dos marqueteiros quando pensam em tendências de consumo!)

Na época do lançamento do estudo, li sobre 5 pontos principais que diferenciam a Geração Z dos Millennials:

  1. valorizam mais a diversidade de gêneros e raças
  2. são adeptos de até cinco telas convergentes, como TV, smartphone, laptop, desktop e tablet
  3. são autossuficientes e acreditam no poder do próprio sucesso, sempre com o auxílio da tecnologia na palma da mão
  4. buscam a fama e, por isso, desejam estar no centro das marcas e telas online
  5. por terem nascido em momentos de depressão econômica e fatos marcantes como o atentado de 11 de Setembro, são menos otimistas e mais realistas

Que tal?

Você, como eu, leu tudo e concluiu que tem um quê de Geração Z?

E tem mesmo.

Essa Geração Tsunami vai ensinar ao mundo dos negócios que não há modelo pré-definido, pessoas não são coisas para serem “tagueadas” e que não somos “uma safra boa” ou “uma safra ruim”. Somos gente e não aceitamos relacionamentos que nos tratem como gado.

Veja esse video:

Se tem uma coisa que as marcas, como a Bauducco tenta fazer com sua nova campanha, terão que aprender com eles é que a horizontalidade das relações familiares mudará o mundo.

Mas por enquanto, ainda tem gente que ri das campanhas que falam do #ServiçodeAtendimentoaosCoroas. Aproveitem porque logo não teremos mais nem velhinhos Baby Boommers (como meus pais, nascidos na década de 1940) que usem correntes de e-mail ou usem mensagens em caixa alta sem querer.

E sobre a inserção desta marca tradicional no mundo digital, deixo um elogio pela escolha de um caminho que nunca vai cair de moda: o Senhor Bauducco (@bauducco) chegou à internet (em maio de 2016) ciente de que relacionamento é a alma do negócio.

 

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.