Futebol é show ou business?

Acredito que seja um pouco de cada, mas está cada dia mais um show bem lucrativo.

Os domingos à tarde são plenos de futebol em nossa família, quer estejamos em casa (vendo pela TV), no carro (ouvir jogo na CBN se tornou uma estranha rotina) ou mesmo indo ao estádio para acompanhar o Gui. Os meninos, mesmo sem gostar tanto, são enfáticos ao defender o time que herdaram do pai, avô e bisavô. Eu, apesar de filha de um palmeirense que agora é atleticano, sou paranista mas vivo ligada no SPFC.
Afinal, aprendi a gostar de futebol com o Gui, pois começamos a namorar às vésperas de uma decisão de campeonato brasileiro, o de 1991, que levaria o time dele para a Libertadores e depois o Mundial. Mas passei a gostar de estádio e de ouvir falar de futebol com os jogos do Paraná na Vila Capanema, com o estágio na Suburbana de Curitiba radiada pelo sr. Barone, com o Cartão Verde da TV Cultura – ainda na época em que José Trajano, Flavio Prado e Juca Kfouri apresentavam juntos. Sabem que morando no Japão chegamos a “alugar” as fitas VHS do programa para ver?
Hoje no Nossa Via eu revivi um pouco do interesse pelo futebol num texto sobre o showbizz que ele é atualmente. Deixo o convite para lerem e comentarem lá. 🙂

“Dizem que o futebol é o ópio do povo. Carl Sagan compara esta relação com o time do coração aos grupos de caçadores primitivos e sua necessidade de se juntar e se defender em clãs. Eu o vejo como uma forma de entretenimento e os atuais atletas conseguem tornar o “jogo de cena” fora do campo uma verdadeira novela digna de se acompanhar.”
read more | digg story

P.S. E como hoje o Parque Antártica, um dos símbolos do futebol paulista, está sob o entusiasmo dos fãs do Iron Maiden, deixo também a dica para lerem o post A música do futebol no Novelo Digital. Interessante imaginar os jogadores (em suas posições no time) e o que seriam se fossem músicos numa banda. 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.