FlipZona e Gibiteria

Na semana passada eu comentei algumas coisas que me animaram na programação da Flipinha 2010. Pois ontem à noite, num jantar na casa do especialista em HQ @tcordeiro, percebi que parte da animação do meu “tween” Enzo com Paraty estará do outro lado da praça, na programação da Flipzona.

Tiago presenteou meu pequeno leitor com O Pequeno Livro do Rock, de Hervé Bourhis, da Conrad Editora. Basicamente é uma história do rock em quadrinhos, quer dizer, em desenhos… o livro segue uma cronologia, com ilustrações ano a ano que nos permitem uma viagem no tempo através de capas de discos, letras de músicas (cortes de cabelo, fatos e boatos, bobagens que refletem seu tempo e dão dimensão da época), Bourhis traz situações curiosas sobre personagens desconhecidos, sem se prender nos famosos. Segundo li sobre a obra, “cansado de ver tantas compilações de notícias e informações repetidas sobre o rock´n´roll, esse francês de 35 anos, amante da música e do desenho, decidiu escrever ele mesmo o seu diário particular do rock com base naquilo que leu, ouviu e respirou durante décadas em revistas, canções e filmes que marcaram as gerações dos cinco continentes.” Vou ler com Enzo e depois conto aqui! 😉

Mas e a FlipZona? Estive em Paraty na primeira edição “jovem” da Flip, mas não pode aproveitar muito. Em 2010 a expectativa é grande com alguns convidados:

Ilustração de O homem da gravidade zero, de Leo Slezynger, um dos convidados da FlipZona 2010
  • Chega a ser cansativo, mas lá estão novamente Tim Burton e a nova adaptação de Alice no País Maravilhas nos cinemas. Quem estará lá para falar do mundo fantástico deles? Marcos Maffei (que traduziu o clássico para a Editora Salamandra) e Luiz Zerbini (responsável pelas ilustrações que deram vida à Alice editada pela Cosac Naify) que também dedicaram seus últimos trabalhos à obra de Lewis Carrol. Apesar do tema batido, ouvir ambos na FlipZona, discutindo o universo imaginário e imagético da história publicada há quase 150 anos pelo escritor britânico, é imperdível!
  • “Filhas de peixe, peixinho são”.  Pois confirmaremos o dito popular com Tamara, Laura e Mariana, filhas de Amyr Klink, criadas em meio a estaleiros e marinas, que vão contar suas experiências lá. Vale lembrar que Amyr Klink é um apaixonado por Paraty e responsável pela simpatia de muitos – eu me coloco neste grupo – pela cidade histórica carioca. E é Amyr querm defende outro dos convidados da FlipZona, Leo Slezynger, afirmando que ele “é um grande contador de histórias e faz do ato de contar um prazer cúmplice de quem ouve”. Ele é autor do recém-lançado Graphic novel Homem: Gravidade Zero (Jaboticaba), uma graphic novel filosófica que faz uso do formato das histórias em quadrinhos para transmitir sua visão de mundo. O especial é o fato de Leo ser filósofo e literato formado pela Universidade de Boston (co-autoria de Filippo Croso e desenhos de Kris Zullo) e trazer em Gravidade Zero uma trama que se diferencia por não abordar somente temas cotidianos, trazendo um processo de descoberta e transformação vivido pelo protagonista Boj, um botânico sonhador que se mostra insatisfeito com a atual civilização.
  • Samba para adolescentes? O vocalista do Monobloco, Pedro Luís,vai falar sobre a arte de compor e espero que conte um pouco do projeto de acabar com o preconceito dos jovens em relação a este ritmo brasileiro. Os autores favoritos do Enzo, Lalau e Laurabeatriz, passarão por lá também, num papo sobre carbono neutro e imagens. Ainda não sei detalhes, mas li que  Marcia Kupstas e Anna Cláudia Ramos discutem amor, jovens e literatura e que Toni Brandão e Adriana Falcão, em mesa com João Alegria, conversam com os jovens sobre televisão, produção de roteiros, mídia.

P.S. Vale o registro: Enzo já tinha “namorado” numa visita que fizemos à Gibiteria (Praça Benedito Calixto, 158 – 1º andar, loja 11, São Paulo), uma loja gracinha que fica em Pinheiros e tem um acervo bem interessante para quem curte quadrinhos. 😉 #ficaadica

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook