Festival Internacional de Cinema Infantil

Estou visitando minha irmã hoje no Rio e veja que notícia boa: acontece por aqui nestes dias o FICI (Festival Internacional de Cinema Infantil) e já estou pensando em tentar aproveitar a programação de 2010: 90 filmes, reunindo inéditos e clássicos, curtas-metragens brasileiros e internacionais, séries de TV e mostras especiais além de oficinas de cinema de animação e debates. E se você não mora no Rio, fique de olho nas datas porque o FICI estará em salas de cinema da Rede Cinemark em 9 cidades brasileiras: Brasília (03 a 12/09), São Paulo e Campinas (10 a 19/09), Belo Horizonte (17 a 26/09), Recife (08 a 17/10), Aracaju e Salvador (22 a 31/10).

E, repetindo o que listei ontem no Mãe com filhos, da programação completa deste link, vale ver algo do Programa Internacional que traz títulos inéditos de diversos países em versão dublada e faz um pequeno panorama do cinema direcionado as crianças:

  • “Iep!” , longa holandês vencedor de prêmios internacionais, dentre eles “Melhor Filme” no Festival de Cinema Infantil de Montreal
  • “O Segredo de Eleonor”, animação francesa dirigida por Dominique Monféry que recebeu menção honrosa no Annecy International Animated Film Festival
  • “Perdidos na Galáxia”, longa-metragem sem diálogos mostra para pequenos espectadores a força da narrativa do cinema húngaro

Na “Pré-estreia Brasil” as vedetes são:

  • Eu e Meu Guarda-Chuva“, dirigido por Toni Vanzolini baseado no livro infantil homônimo de Branco Mello, dos Titãs e de Hugo Possolo, com roteiro adaptado por Adriana Falcão, Marcelo Gonçalves e Bernardo Guilherme – filme que foi selecionado no Segundo Laboratório Sesc Rio de Roteiro de Cinema Infantil. A história é uma diversão só: “Em sua última noite de férias, Eugênio, um menino de 11 anos, e seu melhor amigo Cebola envolvem-se em aventuras inimagináveis para resgatar Frida, sua paixão e colega de escola, que foi sequestrada pelo fantasma do temível Barão Von Staffen. Nesta odisséia, Eugênio contará com a ajuda de um guarda chuva herdado de seu saudoso avô, que lhe dará a coragem necessária para seguir em frente.”
  • “Antes que o Mundo Acabe”, de Ana Luiza Azevedo e direcionado aos novos jovens, produzido pela casa de cinema de Porto Alegre que arrematou seis prêmios no Festival de Paulínia e o prêmio Itamaraty de Melhor Longa de Ficção da 33ª Mostra de Cinema de São Paulo. O roteiro parece ser muito atual: “Daniel está imerso em seu pequeno mundo com problemas que parecem insolúveis: uma namorada que não sabe o que quer, um amigo que está sendo acusado de ladrão e uma pequena cidade que vai ter que ser deixada pra trás. Tudo acontece quando ele recebe uma carta do pai que nunca conheceu. Através das cartas e fotos enviadas pelo pai, Daniel descobre que o mundo é bem maior do que aquele que até então conhecia. Maria Clara, a irmã pequena de Daniel, observa tudo o que acontece à sua volta e, com um olhar crítico, narra esta história.”

Quem gosta muito do universo da Sétima Arte pode aproveitar a sessão “Dublagem ao vivo“, tradicional atividade do FICI e que nesta edição traz oito filmes inéditos. Ver e saber como é feita uma dublagem é mostrar uma face escondida do cinema, valorizando e reconhecendo este extraordinário trabalho, além de ser a chance de conhecer o trabalho dos dubladores de filmes de diversos países, listados aqui.

E tem muito mais no festival, como o Prêmio Brasil de Cinema Infantil (que exibe curtas-metragens direcionados ao público infantil em mostras competitivas e não-competitivas), o encontro com outro jeito de falar nosso idioma em Viva a Língua Portuguesa! (uma série de curtas-metragens produzidos em Portugal), uma seleção de filmes em versão 3D-  “Up! – Altas Aventuras”, “Viagem ao Centro da Terra – O Filme”,  e “Toy Story 3” – com direito a “Pré-estreia 3D” de “Bugigangue, Controle Terremoto” o longa “Batalha por T.E.R.A.”

E para os nostálgicos tem “Sessão clássicos” com “Kiriku e a Feiticeira” (1998), vencedor de onze prêmios incluindo o Annecy e o British Animation Awards e o longa brasileiro “Super Colosso – A Gincana da TV Colosso” (1995), filme escrito por Giba Assis Brasil e Laerte Coutinho, composto pelos cartunistas Angeli, Laerte, Glauco, Luiz Gê, Fernando Gonsales, Newton Foot, Gilmar Rodrigues, e Flávio Luiz, baseado no programa de TV exibido pela Rede Globo durante a década de 90.

E se você tem mini cinéfilos em casa como eu, a dica é prestar atenção também nas oficinas de cinema de animação onde os “pequenos” conhecerão e usufruirão, antes ou após as sessões, das técnicas utilizadas em filmes de animação, em atividades que poderão ser vistas posteriormente na página no Youtube do festival.

P.S. E a melhor notícia: meia entrada para todos. 🙂

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook