cultura web

Outro dia visitei um blog que tinha solicitado inclusão no MdeMulher e me surpreendi com a mensagem de que ele tinha acabado. @aninhamedeiros não sumiu, ela migrou para o A casa que minha vó queria – mas foi sem “mala e cuia”. Eu fiquei a pensar se teria o desprendimento de mudar assim.

Na semana passada, em plena #cparty, fui surpreendida com a notícia de que o Poltrona acabou. Apesar de saber que meu amigo estava preparando novidades, fui pega de surpresa quando soube que agora o blog do @alerocha é o www.alerocha.com e não o www.poltrona.tv – Ale contava que, com o lançamento do livro sobre o blog, encerrou um ciclo da sua vida e neste novo momento a opção é ser menos jornalista e mais blogueiro.

Um ano antes eu tinha conhecido (no debate Mulheres e internet da Cparty 2009) Clarissa Passos (aka @clara_mcfly), do famoso Garotas que dizem Ni, que também acabou. Assim, sem volta. Mesmo com um pézinho nas mídias sociais, Clarissa fez a opção oposta, está firme e forte no IG onde trabalha como jornalista, num esquema até bem tradicional – fui entrevistada pela equipe dela ano passado e notei que o clima é de redação mesmo.

Hoje alguns amigos no Twitter me ajudaram a lembrar de outros casos: os gauchos do @novacorja (conheci um deles na cobertura colaborativa de um debate de Direitos Humanos no Opinião Nacional da TV Cultura e os caras são sérios de intimidar), @diegomaia lembrou do Mundo Perfeito, que foi “daquela” lista dos primeiros blogs dos primeiros leitores de blog. Felizmente, no Mundo Perfeito como em outros destes “botecos queridos que fecharam as portas”, os arquivos continuam no ar para os saudosistas. 😉

É o caso do Enloucrescendo, do @ianblack – lembrado por @veriserpa. Não fui leitora dele, admito meio com vergonha, mas eu sempre apreciei horrores a criatividade do Ian que começou já com a escolha do nome do blog:

O nome foi inspirado naquele famoso texto do Artur da Távola, comumente e erroneamente atribuído ao Drummond. Como não dava pra criar uma URL com cedilha, desencanei do ENLOUCRESÇA e escolhi ENLOUCRESCENDO, neologismo bacana que pra mim sempre teve muito a ver com mudanças e como reagíamos à elas.

@santahelena seguiu o mesmo caminho, fechando o Chiqueiro Chique no ano passado e começando um novo projeto. Acompanhando começos e términos, creio que as motivações dos blogs acabarem estão exatamente neste conceito “enloucresça”: às vezes a gente muda e os projetos não mudam, descobrimos que eles estão concluídos e não precisam continuar a caminhada. Ou tomaram vida própria, uma vida que vai continuar ou que se encerra, como uma obra que, finalmente, fica pronta.

Numa das primeiras reuniões que tive na Editora Abril já como coordenadora da rede de blogs externos do MdeMulher ouvi o diretor de lá, Demetrius Pararounis, falar que “o blog é como um filho para o blogueiro” e que por isso ele fazia questão de ser flexível na relação com os editores de blog. Bem, para alguns, os filhos crescem e ganham o mundo, né? O meu filhote A Vida Como A Vida Quer ainda não chegou à maturidade, mas eu entendo perfeitamente a escolha do amigo @alerocha e sua decisão sobre o Poltrona. E fica aqui para ele e os outros que reiniciam projetos meu desejo de bons tempos com suas crias.

🙂

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas