Atos mobilizam 136 milhões, mas falta amadurecimento político no que se compartilha #VemPraRua

“Uma ressalva: quando falo que falta maturidade política não estou me referindo aos manifestantes, mas aos brasileiros em geral, afinal, somos uma democracia participativa há relativamente pouco tempo e tivemos muitas (e sérias) interrupções neste processo. Estamos aprendendo, todos juntos, sem muita distinção de idade, como fazer o melhor uso deste direito.

 

20130623-143653.jpg

“Na internet, atos mobilizam 136 milhoes” – reportagem do caderno Link no Estadão explica o papel de cada rede social nos protestos que movimentaram o país de 13 a 21/06 e contabiliza mais de 2 milhões de menções aos temas.

Da turma “early adopter e heavy user, mas mais madura”, vejo estes números com ressalvas por conta da necessidade de amadurecimento político na cidadania exercida, tanto no offline quanto nas redes. Nelas confiamos na curadoria de conteúdo dos amigos e no geral passa-se para frente coisas que nem se leu direito. Mas tenho fé de que movimentos (como os #protestosbr #mudabrasil e afins) façam com que cada vez mais pessoas adotem uma postura pró-ativa inclusive neste compartilhamento (e responsabilidade) do conteúdo que avalizam.

20130623-163302.jpg

Em entrevista ao repórter Camilo Rocha para esta matéria, reforcei algumas questões.

O fluxo paralelo de informação possibilitou fazer comparações com as versões das autoridades. “Muitos representantes do poder não são atualizados sobre as ferramentas,” disse a jornalista e blogueira Sam Shiraishi, especializada em ativismo social.
Um exemplo foi o vídeo amador que mostra um policial quebrando o vidro de uma viatura, sugerindo tentativa de forjar uma ação de vandalismo. “A violência que se viu na quinta-feira (dia 13) foi em grande parte desmascarada por esses vídeos”, diz o professor Pablo Ortellado, do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo (USP).
Na terça-feira passada, durante as horas mais tensas do confronto entre manifestantes e a Tropa de Choque na Rua Augusta, em São Paulo, a única transmissão ao vivo ficou a cargo do canal online PosTV, com imagens feitas por um iPhone. A exclusividade da cobertura se refletiu nos acessos, que chegaram a 180 mil. O link da transmissão foi compartilhado à exaustão – incluindo pelo jornalista Jorge Pontual, da TV Globo, que elogiou a transmissão no Twitter.
O jornalista Bruno Torturra, da PosTV, diz que a rede veio ocupar um espaço vago. “A gente fez o que se espera que a imprensa faça no mundo conectado das redes.”
O uso das mídias sociais no País tem números grandes e as redes sociais são cada vez mais acessadas na rua, graças ao avanço dos smartphones, que deverão ser 50% dos aparelhos celulares neste ano. De acordo com monitoramento da empresa Scup, publicações sobre os protestos impactaram mais de 136 milhões de pessoas nas redes sociais. Entre 13 e 21 de junho, foram mais de 2 milhões de menções no Facebook, Twitter e YouTube e Google. No mesmo período, a Copa das Confederações teve 214 mil menções. O monitoramento foi feito com base em palavras-chave como #passe livre, #vemprarua e #ogiganteacordou – são as hashtags.
Para Ortellado, no entanto, as ferramentas também servem para repercutir discursos preestabelecidos. “Na rua, vemos uma difusão de pautas. A internet responde com um novo significado o que aparece nos meios de comunicação. Estamos vendo uma espécie de guerra simbólica.”
A jornalista Sam Shiraishi ainda vê uma falta de maturidade política nas redes. “Uma rede como o Facebook favorece a confiança no que os amigos falam, na curadoria de conteúdo deles. Passa-se para frente coisas que nem se leu direito.”

Você concorda, discorda ou nunca tinha pensado sob este prisma?

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.