cidadania / destaque / girl up!

A Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo (PRE-SP) realizará, no dia 19/07, às 10h, na sede da Procuradoria Regional da República da 3ª Região, o Encontro Propositivo pela Igualdade das Mulheres na Política.

O encontro não será um seminário, palestra ou audiência pública. É uma reunião de trabalho, uma oportunidade de a Procuradoria ouvir as propostas da sociedade para assegurar a igualdade das mulheres na política, que ainda não ocupam o lugar que é delas de direito, tanto nas candidaturas, como nas propagandas partidária e eleitoral. Para se inscrever no evento, clique aqui.

O objetivo é identificar as barreiras ilegítimas à igualdade e encontrar meios de arredá-las.

Queremos receber, desde já, propostas para:

a) assegurar que os partidos políticos apresentem candidatas mulheres em número ótimo;

b) garantir que as candidatas tenham condições de igualdade na campanha;

c) assegurar que as mulheres ocupem os cargos eletivos a que têm direito.

 A melhor parte desse evento, creio, é a chance de enviar propostas!

Mande suas propostas para o endereço: presp-direto@mpf.mp.br. As propostas deverão ter tamanho máximo de 1000 (mil) caracteres.

Vale lembrar:

Neste ano, o TSE lançou uma campanha de esclarecimento sobre a participação das mulheres na política. E olha, funcionou: gerou papo. Meus filhos adolescentes, garotos de 13 e 16 anos, repetiam os bordões e isso gerou conversas interessantes em casa.

A ideia é incentivar a participação feminina na política, além de esclarecer os cidadãos sobre as regras e o funcionamento do sistema eleitoral brasileiro.

Você sabia que a Lei das Eleições (Lei 9504/1997) também assegura a reserva de 30% do número de candidaturas para as mulheres, em cada partido político ou coligação?

Mas, um estudo comparativo entre alguns países mostra que apenas a aplicação da lei não é suficiente para que haja incremento na quantidade de cadeiras ocupadas por mulheres. É preciso capacitar e criar programas de apoio, realizando campanhas de incentivo, a fim de despertar as condições para que elas participem dos processos decisórios do país.

A realidade atual:

As mulheres ocupam hoje baixos percentuais de vagas nos cargos eletivos no Brasil. São 10% dos deputados federais e 14% dos senadores, apesar de serem metade da população e da força de trabalho na economia. O percentual é idêntico nas Assembleias Estaduais e menor nas Câmaras de Vereadores e nos poderes Executivos.

Será que nas próximas eleições veremos diferença?

Conte aí:

Você pretende ser candidata?

Ou vai, pelo menos, votar numa mulher?


Estatísticas