Dreamgirls

Ontem assisti finalmente ao filme Dreamgirls (Dreamgirls: Em Busca de Um Sonho, 2006) que conta o sonho das garotas negras norte-americanas – dos homens negros (no filme interpretados por Jamie Foxx, Eddie Murphy, Danny Glover) que as lançaram e depois exploraram. O filme conseguiu a proeza de passar metade do tempo escondendo a beleza incontestável de Beyoncé Knowles. Incrível, ela só aparece como diva que é no final, mas bem maravilhosa e mesmo sem ser fã de suas músicas -ouço se toca, mas não tenho nenhuma no meu mp3, notei isso e me surpreendi. Como cantora fiquei encantada mesmo com a Jennifer Hudson (que não por acaso ganhou o Oscar de atriz coajuvante neste filme).

Engraçado que Gui detestou, achou musical demais! (huahua) Mas eu, apesar de não dar nota dez nem chorar no final como a Lella contou, gostei do jeito como retrataram os personagens femininos (desde a mãe da personagem da Beyoncé até a filha da personagem da Jennifer Hudson) e me impressionou o trabalho de Sharen Davis nos figurinos, que permitiam acompanhar a passagem do tempo sem esfoço nem artifícios do roteiro. O musical é ambientado nas décadas de 1960-70 e o filme foi adaptado do premiado musical da Broadway de mesmo nome de 1981, baseado na história da criação da Motown Records, da evolução da música negra e da banda The Supremes.

P.S. Por falar em filme, fomos conferir o filme Um reizinho chamado Macius no Festival Internacional de Cinema Infantil hoje, no Shopping Metrô Santa Cruz. Não ia lá há anos e gostei, as salas são realmente boas, como tinham me contado, e algumas moças bem gentis faziam a promoção do evento. Mas o filminho, indicado para crianças de 4 anos, é de pegar no sono. Os meninos gostaram, mas Gui e eu saímos de lá com aquela sensação de tempo perdido. Valeu pela paradinha na Siciliano do shopping antes do filme que nos rendeu leituras deliciosas com eles. 😉

Reblog this post [with Zemanta]
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook