Vida qualificada: ganhar o mundo ou trabalhar em casa? Eu escolhi os dois!

Lembram do Blog Renovável da Continental no qual sou autora convidada neste mês?

Pois nesta quarta eu contei lá de uma situação muito nova na qual me vi: depois de uma década trabalhando em home office, só de casa, saindo apenas para cumprir compromissos externos, estou num escritório de novo. Tem sido um desafio e tanto, apesar de uma experiência maravilhosa e feliz, voltar a trabalhar com equipes que não são remotas e ter uma mesa e cadeira só para mim num lugar fixo depois de tanto tempo.

“Na semana passada falei en passent, sobre um livro que li neste ano e, se não mudou meu conceito, reforçou minha confiança de que estou caminhando para o lado certo. Explico: desde 2000, quando me tornei mãe, eu trabalho em home office. Foi uma decisão pautada na chegada do primeiro bebê (e minha vontade de estar perto dele), mas também de quem via que na internet, ainda incipiente e “discada” por aqui, tinha um grande espaço para novas áreas de atuação. Dez anos depois, com os filhos crescidinhos, a internet me levou a um novo desafio: ter minha empresa e precisar abrir mão do homesourcing (a mão de obra que faz trabalho remoto, de casa) para concentrar os esforços num endereço comercial.”

Mas não é porque estou fora que vou descuidar, né?

Aproveitei a deixa e contei no post algumas dicas para começar a fazer do trabalho um lugar mais legal e sustentável. Passe lá para ver!

🙂

[update]
Posts relacionados:

[/update]

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook