destaque / entretenimento

dev-patel-como-saroo-adulto-filme-lion

Uma das boas coisas que a Netflix trouxe ao mundo é a aproximação entre obras diversas e o público.

Quantos filmes, series e documentários diferentes, que abriram sua mente e ampliaram seu mundo você conheceu graças a ela?

Eu descobri um universo!

Neste ano, o serviço de streaming por assinatura prometeu que traria bons filmes indicados ou ganhadores do Oscar para seus assinantes em tempo recorde. E assim foi. No final de maio, dois filmes entraram no catálogo: Moonlight e Lion.

Vimos o último neste final de semana e foi um ótimo programa de família.

Você sabia que essa história é baseada em fatos reais? Neste vídeo é possível saber mais:

Saroo Brierley nasceu em Khandwa, Índia, em 1981, e o relato autobiográfico de suas experiências, num livro chamado A Long Way Home publicado em 2014, foi adaptado para o cinema em 2016 no filme que foi indicado a 6 prêmios no Oscar de 2017,

Aos cinco anos de idade, o indiano Saroo se perdeu do irmão numa estação de trem da Índia e acabou em Calcutá, a 1600 km de distância, o que o fez enfrentar grandes desafios para sobreviver sozinho por meses até ser adotado por uma família australiana. Incapaz de superar o que aconteceu, aos 25 anos ele decidiu buscar uma forma de reencontrar sua família biológica.

O filme é um pouco lento e tem um clima triste (especialmente a parte com Rooney Mara, ela gosta de roteiros assim, lembram dela em The Discovery?), mas o menino que interpreta Saroo é encantador, assim como o que faz o irmão Gudu. Nicole Kidman está convincente e tem Dev Patel, né?

Lion é dividido em duas partes. Primeiro conhecemos a Índia empobrecida onde vivia o pequeno Saroo, vivido pelo apaixonante ator Sunny Pawar, sempre com o irmão Guddu (vivido pelo também encantador Abhishek Bharate) enquanto ambos (um com 5 e outro com no máximo 14 anos) fazem biscates para ajudar a cuidar da mãe e da irmã. Numa madrugada em que estavam juntos nestes trabalhos abusivos e paupérrimos, Saroo termina dormindo dentro de um trem que vai para Calcutá, de onde o menino tenta em vão retornar para casa. Sem saber o nome do local onde mora, distante quase 2 mil quilômetros de casa, o pequeno passa por desventuras em série.

nicole-kidman-filme-lion-saroo

Depois de muito penar sob pontes, lixões e a miséria da metrópole, Saroo vai parar em um orfanato (triste e deprimente, mas menos terrível do que a vida nas ruas) de onde parte para adoção por um casal australiano da Tasmânia, Sue (interpretada por Nicole Kidman) e John Brierley (interpretado por David Wenham). A segunda parte é a vida australiana e, em idade adulta, aos 25 anos, o momento de catarse do progonista que, num jantar indiano com colegas de faculdade (ou especialização?) relembra de momentos da infância e sente que precisa buscar esta parte de si. Os colegas sugerem um “novo programa”, Google Earth, e numa missão quase impossível que o consome por 3 anos, ele consegue achar o local de onde partiu.

dev-patel-sunny-pawar

Para nós foi muito marcante, vimos com os filhos adolescentes e a pequena de 4 anos. Nosso filho do meio sofreu um acidente grave com a idade de Saroo – aos 5 anos e meio foi atacado por um pitbull e quase morreu, mostrando-nos a força e a capacidade de superação de uma criança tão pequena e mudando para sempre nossas vidas. E foi ele quem, no meio do filme, se apercebeu que devemos ensinar para nossa protegida caçulinha onde moramos, nossos nomes completos e outras competências que podem garantir sua sobrevivência sem nós.

Crianças no semáforo

 

Serviu também para reflexionarmos sobre os menores que vemos pelas ruas e que não sabemos mais como ajudar. Somos ligados a ações sociais e nossa igreja, a IBAB, apoia financeiramente e cria ações nas quais podemos estar em contato direto com quem precisa, buscamos ajudar a todos que encontramos, mas admitimos que muitas vezes alguns são mais invisíveis do que outros.

Acolhimento dos menores em situação de risco

Ah, e se você quer saber mais para ajudar, o site do filme dá caminhos:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas