destaque / social good

“Não fique indiferente quando se deparar com uma situação de violência sexual contra crianças e adolescentes! Não permita que isso aconteça do seu lado!”

Em quase 10 anos de blog, já tratei deste tema inúmeras vezes por aqui. E as frases acima são as que importam.

Denuncie. Não finja que não vê, não ouve, não sente.

E não faça de conta que não importa, nem faz diferença levantar sua voz, falar da sua dor de vítima, da sua experiência como testemunha, da sua luta como cidadão, da sua empatia de mãe, da repercussão na sua atividade como educador ou profissional da saúde. Faz sim. Todas as vozes são importantes para calarmos esta realidade e permitirmos que as vozes das crianças e adolescentes sejam ouvidas e suas vidas protegidas.

Hoje, 18/05, é Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Sabem como esta data foi instituída no Brasil?

No ano em que eu nasci, 1973, uma menina de apenas 8 anos foi vítima fatal de violência sexual. 25 anos depois, em 1998, a data desta tragédia foi imortalizada para relembrar que todos somos importantes neste processo de tirar da invisibilidade a necessidade de proteção à infância.

Na foto, de Gildo Loyola, podemos conhecer Araceli Crespo, que tinha apenas 8 anos quando foi violentada e assassinada no dia 18 de maio de 1973, em Vitória. Os autores do crime, pertencentes a famílias poderosas do Espírito Santo, nunca foram condenados. Em 1998, a data foi transformada no Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Um marco na luta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Diversas atividades estão programadas em todo o país para a Semana de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes – 18 a 24 de maio.

Neste 18 de maio, faça bonito! Por Araceli e por tantas outras crianças. Esteja atento, denuncie. Disque 100!

Quer proteger seus filhos? Faça como eu, exagere.

Como mãe eu indiretamente aprovo – ou não – a intimidade física do meu filho com outra pessoa quando falo para fazer aquela aula, que é bom para saúde, etc.  Ao ver o caso da nadadora Joana Maranhão, me senti menos exagerada.

Basta olhar para fora de casa? Não!

Há alguns anos, postei sobre o  livro “Segredo Segredíssimo“, de Odívia Barros, e posteriormente “ficamos amigas” no Facebook. Acompanho-a e desta experiência, que de certa forma me lembra a de Joana Maranhão, aprendi que a vivência pessoal pode transformar vidas e criar uma nova linha de atuação, mais consciente, para quem quer atuar na proteção à infância.

Xuxa também surpreendeu o Brasil todo confidenciando em rede nacional que sofreu abuso sexual durante parte da sua infância e adolescência

Os casos são familiares e, infelizmente, pesquisas comprovam que muitos pedófilos são crianças que foram vítimas na infância.

Mas sempre há como reduzir isto com nossas ações.

Na faculdade eu era voluntária do Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua em Curitiba e entrevistei um grupo de crianças vítimas de prostituição infantil na tríplice fronteira, região de Foz do Iguaçu. O resultado foi uma matéria muito boa, que me rendeu um convite para emprego e passou a me tirar o sono e deixar atenta para este tipo de crime silencioso e tão comum. Devemos proteger nossos filhos em casa, mas igualmente devemos agir como cidadãos, usando os espaços e as armas que temos para reduzir o impacto social (e o efeito dominó que a pedofilia traz) pensando que nós e nossos descendentes só estaremos protegidos e felizes num mundo livre destas atrocidades.

Não adianta só criarmos uma redoma para evitar a violência em nossa vida, precisamos trabalhar para não precisemos nos deparar com ela de forma cada dia mais descarada e descontrolada. 

E, mais importante, neste dia, reflita:

Como ajudar as vitimas de violência sexual na sua reintegração à sociedade?

Posts relacionados:

Você pode gostar também de ler:
Neste ano meu filho mais velho completa 18 anos e - geração Uber - ele
Há alguns anos, tive a honra de fazer um "tour" por uma parte do rio
(Foto da Passeata pela Paz - Capão Redondo - São Paulo,
Eu já fui migrante no Japão (como dekassegui), sou neta e bisneta de estrangeiros que
Você via mulheres grávidas, praticamente zumbis humanos, no meio de locais como a Cracolândia e
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline Estatísticas