bem estar / social good

Faz pouco tempo, mais precisamente 12 anos, que o dia 14 de junho foi instituído como Dia Mundial do Doador de Sangue pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A ideia era homenagear e agradecer a todos os doadores que ajudam a salvar vidas todos dias, além de ser o aniversário de Karl Landsteiner, ganhador do prêmio Nobel pela descoberta do sistema de grupos de sangue ABO.

Dia Mundial do Doador de Sangue - Laila Sena

De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 1.9% dos brasileiros doam sangue regularmente – em uma nação de mais de 200 milhões, mas podemos mudar esse hábito: toda pessoa saudável pode doar. Homens, a cada 2 meses (sendo 4 doações ao ano) e mulheres, a cada 3 meses (sendo 3 doações ao ano).

Para quem duvida da necessidade, os dados não deixam mentir. No Brasil, entre 2003 e 2013 houve um aumento da utilização de bolsas de sangue em 84% nos transplantes, de 619% nas cirurgias, 627% em atendimentos de urgência. A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que 5% da população de um país doe sangue regularmente para manter os estoques de sangue dos hemocentros. No país, o percentual está entre 2% e 2,5%. No Rio, onde resido, o índice é ainda menor: apenas 1,8% dos cariocas doam sangue.

Para mudar essa estatística, você pode se tornar um doador de sangue! Basta procurar o hemocentro (ou hemonúcleo) mais próximo de sua residência.


Estatísticas