Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher

Hoje é Dia internacional de luta contra a violência à mulher e, embora não veja necessidade de fazer um novo post, gostaria de destacar um trecho do post de 2o11, “Calar é permitir, denunciar é combater!“.

“Leis e instrumentos de repressão não farão a mudança cultural tão necessária para que a mulher que sofre violência doméstica seja respeitada. Só a compreensão da sociedade, de que esse é um drama caleidoscópico, de muitas facetas, fará isso”.

Apesar da Lei Maria da Penha (de 07/08/2006), hoje 94% dos brasileiros já conhecem a lei, ainda há trabalho pela frente, pois apenas 13% sabem o seu conteúdo e as pessoas ainda não introjetaram a lei. E como a tarefa continua? Diversificar as formas de divulgação da lei é uma das metas de todos os envolvidos com o enfrentamento dessa questão que, como lembrou a ministra Iriny Lopes:

“Temos uma legislação moderna, exclusiva para a mulher, que desnaturaliza a violência doméstica e isso faz uma enorme diferença. Porque dentro do tratamento universalizado da lei comum, a mulher não conseguiu obter respeito”.

Neste Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher eu relembro o tema, mas chamando todos para o que podemos fazer e está realmente ao nosso alcance: conhecer os pontos mais importantes da lei e compartilhar com quem está próximo. Que tal começarmos hoje?

P.S. Posts sobre violência doméstica aqui no blog nos últimos anos:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook