Desafio Internacional de Judô

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

Um dos espetáculos mais legais que assistimos neste ano foi no Teatro Bradesco, mas não era uma expressão artística comum: tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judô.

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou “legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô”.

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.brTivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi “que nem o UFC”.

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.brTivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

“Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho.”

Tivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.brTivemos a honra de presenciar a primeira vez que um evento oficial de judo aconteceu num teatro, durante o o Desafio Internacional de Judo.   Rafael Silva, o Baby, que abriu o duelo na luta com o japonês Kenta Nishigata, comentou que achou "legal ter essas inovações e testar esses novos meios para divulgar o judô". Outras três lutas completaram o Desafio Internacional de Judô: o segundo embate foi entre os médios Eduardo Bettoni e Kensei Ikeda, seguido dos meio-médios, com Rafael Macedo encararando Yasuhiro Ebi, e na categoria leve Alex Pombo e Ryo Saito, fechando com o meio-leve Charles Chibana contra Jumpei Morishita.   Chibana foi quem deu a percepção dos atletas sobre o desafio, pois estava curioso com a competição à base de jogo de luzes, só com a parte do tatame iluminada. Ele tinha razão, foi "que nem o UFC".   "Será uma experiência nova. Não vai dar para ver a torcida, mas vai ter barulho, que é o que importa. Na hora da luta o que você mais escuta é a torcida te apoiando. Quem nunca disputou um esporte com torcida não sabe como isso faz diferença. Você pode estar no limite e com a torcida te empurrando você sabe que não está sozinho."  Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.   Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!   Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.   #tudodeBRA #bra #judo #avidaquer www.avidaquer.com.br

Esporte e cultura, programa para família e um mundo sem fronteiras, tudo isso está aqui e é a cara do @avidaquer.

Estou muito feliz por testemunhar ao vivo este momento histórico!

Gostou das fotos? Tem um album com todas as imagens na fanpage:

P.S. Valeu, Bradesco, pelo convite e por patrocinar e apoiar os atletas brasileiros.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.