Volta às aulas e a depressão pós-férias

O que para alguns é um alívio (porque não é fácil criar atividades para as crianças por semanas e muitas delas sentem saudade da escola), para outros deixa uma pontadinha de tristeza. Poucos pais conseguem tirar férias tão longas quanto as dos filhos, mas mesmo quem não consegue voltar à rotina sem um gostinho amargo na boca.

Esta sensação de que vamos perder um tempo precioso de convivência é um dos pesos da vida moderna. Estamos sempre ocupados, correndo atrás da vida (do sustento ou do sucesso, tanto faz, mas sempre indo atrás de algo melhor) e é ao relaxar com a família nas férias que “paramos e pensamos” no que realmente tem valor. Nem sempre o trabalho e a vida melhor ganham quando fazemos esta reflexão, não é mesmo?

Na semana que passou conversei com algumas pessoas sobre o tema, mas foi o relato de uma delas – que tirou férias em família e na volta viajou a trabalho, numa dicotomia torturante – que eu me vi melhor. E lembrei de ter lido sobre a Depressão pós-férias, um mal que acomete 23% dos brasileiros na volta ao trabalho. Segundo pesquisa realizada pela Isma-BR (Associação de Controle do Estresse no Brasil), boa parte deste grupo é composta de mulheres que têm filhos e trabalham dentro e fora de casa – a velha culpa da mulher que trabalha fora de casa e tem tempo limitado com os filhos em função do trabalho, sobre a qual já falamos aqui tantas vezes.

“O término das férias pode gerar um entristecimento grande devido à ausência ou pouco contato familiar, além da culpa que muitas mães apresentam por se sentirem pouco presentes. Também pesa a retomada dos horários e obrigações e a volta aos afazeres domésticos, mas tudo dependerá da forma como a pessoa interpreta e encara estas questões”, afirmam alguns especialistas, como a psicóloga Andreia Calçada.

Claro que há exceções. Uma das minhas amigas está driblando, há 2 semanas, os pedidos incessantes das filhinhas, ansiosas com a volta das atividades na creche que frequentam. Outra conhecida, que passou estas férias com a filha pequena e um bebê recém-nascido, não vê a hora das aulas da pré-escola voltarem para que ela possa organizar a nova rotina da família. Independente dos motivos, a volta às aulas é esperada e importante para as famílias, afinal, criança gosta – e precisa – de rotina.

Mas só saber que a volta aos estudos e aos coleguinhas faz bem a eles não tira a dorzinha no coração de mãe, né? E algumas sugestões ajudam a aliviar a tristeza nestes primeiros dias: reservar um tempo para brincar com as crianças (tanto os pequenos quanto os pais sentem falta uns dos outros depois de dias inteiros juntinhos) e saber manter esse espaço de brincadeiras com uma constante entere vocês. Nem sempre dá tempo – sei bem – mas ler um livro bem divertido ou um bom gibi, jogar um jogo (adoro Cara a Cara e Super Trunfo, que posso jogar deitada na cama com os meninos!) ou ver um filme calmo à noite ajuda a manter o elo familiar e, creia, ainda desestressa porque desliga a cabeça dos pais do dia de trabalho.

Minha experiência também me ensinou que nestes dias de volta ao trabalho devemos evitar duas posturas: a impaciência no trabalho (que nos faz achar que não vale a pena estar lá, que nos desmotiva ou consome demais) e a permissividade com as crianças, postura bem comum quando sentimos culpa. O melhor é esperar que a rotina se acomode (o que geralmente acontece em 1 ou 2 semanas) e tentar, como indicam os especialistas, repartir as férias em 2 ou 3 tempos ao longo do ano, para evitar que o estresse acumule.

E aí, vocês também sentem a depressão do final das férias? E como fazem para manter o vínculo gostoso com as crianças no cotidiano?

 

Posts Relacionados:

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook