Contágio de emoções em grande escala através de redes sociais

Quando a gente clica e confirma aquele “aceito as condições deste site”, pode estar fazendo mais do que aprovando que publiquem em nosso nome ou usem nossos dados anonimamente.

O estudo “Evidência experimental sobre contágio de emoções em grande escala através de redes sociais” levantou um debate sobre as diretrizes éticas do Facebook. De maneira deliberada e sem que os usuários soubessem, a rede passou a exibir apenas conteúdo negativo ou apenas positivo nas páginas de 689 mil usuários, em janeiro de 2012.

Há quem diga que o Facebook usou seus usuários como ratos de laboratório sem que eles soubessem disso.

Relembrando: ao entrar no Facebook, aceitamos os termos de serviço e uma das permissões que damos ao aderir ao serviço é de que informações podem ser usadas para “análise de dados, testes e pesquisas”.

Até aí, tudo bem, certo? Mais ou menos!

Para alguns especialistas em direito, como o professor da Universidade de Maryland, James Grimmelmann, os termos não bastam.

“O padrão de consenso nos termos de serviço é insuficiente. Ele é muito diferente de consentimento informado [quando um paciente dá autorização para um procedimento que pode causar alguma mudança em suas condições atuais], que é o padrão ético e legal para pesquisas com indivíduos humanos”.

Achei grave ser usado, sim. Mas pensei no que pode ter significado para as pessoas com tendência clara à depressão esta avalanche de notícias negativas! Será que conseguimos contabilizar o prejuízo nas vidas pessoais?

Qual a sua opinião?

P.S. A última polêmica sobre o assunto foi sobre o financiamento da pesquisa. Segundo li, o site da Universidade Cornell (uma das envolvidas) publicou um texto afirmando que o departamento de pesquisa do exército americano financiava o estudo.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.