Consumo consciente no Natal

Dezembro é uma época do ano alegre, generosa, feliz e que nos inspira a agir com nobreza de alma. Que tal pensar num Natal Sustentável no lugar do Natal S.A. do comércio? Vamos dar juntos um presente para o planeta?

Este Natal será especial no nosso país. Não é a crise que afeta economia do mundo todo que o faz singular, mas sim uma tragédia de proporções cinematográficas que nós assistimos ao vivo: as enchentes de novembro em Santa Catarina. Além de acompanhar pela mídia tradicional, vimos uma reação na blogosfera que evidencia uma das qualidades mais raras do brasileiro: a solidariedade. É ela que leva caminhões de doações para o sul, que une famílias para hospedar desabrigados, que faz uma taxista lesada pela falta de combustível lembrar que não pode reclamar por perder lucro quando tem gente que perdeu tudo e leva crianças a abrirem mão de economias para ajudar amigos que nem conhecem.

Faço um convite para pensarmos no quanto o consumo consciente poderia fazer diferença na realidade que vivemos. Há anos ouvimos falar que o aquecimento global pode afetar de modo radical o clima e, mesmo nos preocupando momentaneamente, continuamos com nossos velhos hábitos de consumo de energia, de desperdício de comida, comprando desprecupadamente objetos pessoais, saindo com nossos carros mesmo podendo optar por andar a pé ou usar transporte público.

Acredito que, como eu, vocês vão viver um Natal centrados na convivência (que é o ponto alto das celebrações religiosas, do cristianismo, judaísmo, islamismo ou paganismo) nas celebrações de final de ano, sem de fato focar os presentes, mas eles costumam acompanhar as festas. Vamos nos propor a fechar 2008 e começar um 2009 com um “foco sustentável”, cientes de que cada pequena ação nossa terá reflexo no todo e que podemos fazer diferença. Que tal começar nas compras de presentes e de produtos para a festa, sendo um consumidor consciente que leva em consideração não só o preço e a aparência do produto, mas também os aspectos sociais (se a empresa é conhecida por utilizar mão de obra infantil ou por ser injusta com seus funcionários e fornecedores, por exemplo) e ambientais (se a matéria-prima é de origem legal, se o produto é certificado…). Além de presentes comprados em lojas de comércio justo, a ceia pode valorizar ingredientes locais, evitando ingredientes trazidos por meio de grandes deslocamentos.

Quanto mais consumidores agirem assim, mais as empresas terão boas razões para criarem processos e produtos mais sustentáveis. Ainda há poucos brasileiros colocando o consumo consciente em prática. Segundo pesquisa “Responsabilidade Social Empresarial – Percepção do Consumidor Brasileiro”, realizada entre 2006 e 2007, “o número de brasileiros que sabem que têm o poder de influenciar o comportamento das empresas (75%) se manteve relativamente estável desde 2002 até 2007, porém o consumidor não é ativo na mesma proporção em termos de buscar informações sobre o comportamento das empresas. Atualmente, apenas um em cada três consumidores consultados afirma procurar saber mais sobre o comportamento das empresas. Vamos mudar esta realidade em 2009?

Participe da blogagem coletiva Natal Sustentável para discurtirmos e divulgarmos ações que levem a um cotidiano de consumo sustentável.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook