Consumismo infantil: na contramão da sustentabilidade

“Ninguém nasce consumista. O consumismo é um hábito que se forma a partir de valores materialistas e que traz sérios problemas para a sustentabilidade. É possível mudar este quadro.”

Apesar de não militar de forma aberta sobre o tema, eu sou uma mãe bem contra o consumismo infantil. Na verdade minha vida pessoal é pouco consumista, com práticas e regras até um pouco espartanas (como nunca ter feito festa infantil em buffet, evitar roupas e mochilas que pagam royalties para personagens, preparar sucos naturais em casa e comprar poucos presentes por ano para os filhos), mas reservo minhas opiniões para a família e raramente me coloco publicamente criticando o comportamento de outras famílias, pois acredito que o livre-arbítrio é um bem que todos merecemos ter garantido.

No entanto, ao saber que o Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou a cartilha Consumismo Infantil: na contramão da sustentabilidade, em parceria com o Instituto Alana, julguei que merecia um destaque no @avidaquer. O projeto tem como público-alvo crianças, pais, professores e cuidadores e a publicação (disponível gratuitamente no site do MMA) traz informações preocupantes, como as cinco horas por dia que o público infantil passa vendo televisão e de que 64% de todos os anúncios veiculados nas emissoras de TV, monitoradas às vésperas do Dia das Crianças de 2011, foram direcionados ao público infantil.

O Ministério da Educação deverá distribuir 70 mil exemplares da obra, o Ministério do Meio Ambiente distribuirá cerca de 10 mil e a Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP) vai distribuir outros 15 mil exemplares da cartilha por todo o país no próximo ano. A relação de dados e dicas sobre o consumismo infantil está disponível no site do Ministério do Meio Ambiente, clique aqui para fazer download da cartilha ou ler abaixo.

Consumismo infantil: na contramão da sustentabilidade

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook