Consumidor consciente

Fui às compras logo cedo antes de trabalhar. Consumo inevitável: vegetais, frutas, carne, gasolina no carro. Eu tento usar a máxima “Pense Globalmente, Compre Localmente“, apesar de toda dificuldade que temos atualmente para saber de onde as coisas vêem. Ainda bem que aqui em São Paulo tem aquela tradição de morangos de Aibaia, figo de Valinhos e outras coisas que nos dão noção da sua origem.
Estou falando de consumo por conta de duas notícias que li hoje.
Uma diz que o modo stand by dos aparelhos elétricos é responsável por até 20% da conta de luz. Eu já tinha sido alertada sobre isto em 2001, uma amiga que mora na Noruega, Celma, me avisou por e-mail quando o Governo local sugeriu aos cidadãos que evitassem este desperdício. Minha estratégia é ter um filtro de linha em alguns locais, assim desligo o filtro ao invés de desligar todos os aparelhos. Mas confesso que estava meio displicente e agora vou me emendar. Segundo o release que li hoje e comenta pesquisa do Inmetro, é possível notar a redução de consumo na conta de luz. Lembrete: menos consumo, mais do que aliviar o bolso, significa um comportamento mais ecológico, que nem preciso repetir aqui, né? Descobri também uma Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste) que fez teste com aparelhos ligados 24 horas durante 30 dias, mas, infelizmente, apesar dos excelentes temas, exige cadastro e pagamento para acesso aos textos. Que pena!
A outra questão do consumo eu li no badalado blog Síndrome de Estocolmo em que Denise Arcoverde convida a todos a boicotar a L’oreal, que entre outras coisas, recentemente foi condenada por racismo em suas campanhas publicitárias. A foto da atriz sul-africana Charlize Theron foi bem escolhida para mostrar a cara da empresa. Ela também falava do boicote à Nestlé, num texto que vale a pena conferir.
Gostei mesmo do convite dela para que nós, brasileiros, passemos a usar o boicote a empresas como um instrumento de protesto e transformação. Vamos participar?
Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.