Como as mulheres investem seu dinheiro?

Há poucos minutos, minha mãe, que está me visitando nesta semana, me falou uma frase que sintetiza um diferencial feminino que eu adoro: as mulheres, quando olham as coisas, enxergam o todo com seus mínimos detalhes. Pensando no quesito consumo – no qual minha mãe é boa – eu penso que esta visão do todo é que dá à mulher a fama de ser uma gastadora compulsiva.

Por que? Ora, quando se fala em dinheiro, em geral o homem vê mais a questão de maximizar retorno e a mulher o vê mais como um fator de autonomia financeira e segurança financeira para si e para a família. Investir? Sim, mas de forma que todos saiam ganhando – se possível todo dia, por isso a mulher quer guardar para o futuro, mas não deixa de pensar no presente (no bem estar) da família!

Mas não há aquela história de que a mulher gasta muito, é consumista? Tem, mas segundo a especialista Sylvia Coutinho

“Existe esse estereótipo de mulher gastadora e homem investidor. Mas não é bem assim. Na verdade o que se vê é a mulher mais preocupada com o longo prazo, tendendo a ser mais conservadora nos investimentos e pensando em guardar dinheiro.
A mulher tem um foco maior em previdência […] e se preocupa bastante com o planejamento financeiro familiar e a previdência entra nesse contexto.
Mas tanto homens quanto mulheres viverão cada vez mais, a vida útil de trabalho tende a se ampliar, e provavelmente vamos querer cada vez mais tentar ou experimentar novas carreiras em certos períodos da vida.”

Interessante ter duas tendências reunidas aí: uma visão diferenciada (e mais positiva) da mulher como gestora de seu dinheiro e do ser humano como alguém que poderá se rever e experimentar novos caminhos ao longo de sua vida produtiva. Tenho pensado muito nas finanças neste ano e mais ainda depois de conhecer no post da minha irmã @blogdati o site da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) e sua seção Mulheres e Investimentos, exclusivamente voltada ao público feminino e que, muito além da visão massificada da mulher consumiudora, traz orientação financeira, histórias de sucesso, guias e cartilhas para potencializar seus ganhos.

Não sei porque a mídia, quando vai falar de mulher e dinheiro, ainda insiste no esteriótipo da mulher usando o cartão de crédito do marido! Dados do IBGE indicam que mais de um quarto dos domicílios brasileiros já está sob o comando exclusivo de mulheres – e esta é a tendência, pois na última década o número de famílias chefiadas por mulheres cresceu 80%. Recorrer a investimentos para incrementar a renda da família pode ser uma boa saída também para elas e aos poucos as brasileiras vão desmistificando a ideia de que é preciso ser uma expert em finanças para ser uma investidora bem-sucedida.

Iniciativas do site que merecem muito destaque são as orientações específicas para solteiras e casadas, com detalhamento interessante sobre as ações para cada realidade, cada tipo de família.

“Os objetivos e os impactos que os investimentos terão na vida dessas duas mulheres são diferentes. No casal, as decisões devem ser tratadas em conjunto, enquanto a solteira pode decidir individualmente”.

O outro destaque é o Guia 10 passos para chegar aos R$ 100 mil, um documento com situações que todas as mulheres passam no dia a dia – resistir a promoções até mostrar que administrar seu orçamento pessoal – num step-by-step para atingir os seus objetivos, mostrando que alcançar um valor bom de investimentos próprios não é tarefa impossível. E é possível fazer aplicações pela internet a partir de R$ 50! É pouco para começar, mas pode levar sua família a um novo patamar e a um futuro promissor.

E se você gostou, indico a leitura de alguns textos bem interessantes sobre o tema: Ser mãe também exige planejamento financeiro, Filhos participam das decisões de poupança, Poupança como lema, desde a infância, Dívidas, só com a certeza da renda garantida e Estratégias em um Novo Paradigma Globalizado.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook