Comer bem, que mal tem?

   

“Fazer dieta só serve para engordar mais ainda, diz nutricionista da USP”. Esse foi uma matéria que encontrei recentemente em um grupo de discussão no Facebook. E o tema emagrecimento, como sempre, é um eterno tabu. Dietas da moda, cortar carboidratos, tomar shakes e uma série de ensinamentos ou até mesmo ditaduras do que pode e o que não pode.

 

Eu mesma já fiz muitas dietas, ora acompanhada por endocrinologistas, ora por conta própria, mas nada muito louco do tipo cortar o mal pela raiz. Pra ser sincera, eu costumava jantar sopa a noite por ser mais leve e evitava comer muitos doces.

Aos 18 anos pesava 53 quilos e me achava imensa. Hoje, no auge dos meus 30 anos, engordei bastante e isso fez com eu procurasse ajuda. O que mudou em mim ao longo desses 12 anos vai muito além de peso. Já chorei muito, fiquei mal comigo e tudo por conta do que as pessoas falavam. Sério, Monise? O que elas pensam de mim não me diz respeito e tampouco me importa.

Mas o que é certo de verdade? Honestamente, não sei. Estar acima do peso, ao menos para mim, não é problema. Quem me conhece sabe que tenho a autoestima lá no alto, me sinto bem comigo e estou confortável com quem sou. Mas mesmo me sentido bem, senti que precisava mudar alguns hábitos, afinal, sedentarismo era praticamente meu nome do meio. O primeiro passo foi buscar uma endocrinologista bacana, que não iria me impor uma meta absurda. Após fazer alguns exames, descobri que exceto a falta de vitamina D, eu tinha uma saúde bem ok: colesterol, glicemia e triglicérides nos conforme. Ufa!

 

Pensa que parou por aí? Ainda faltava colocar o sedentarismo pra escanteio. E aí que vem o problema: eu nunca fiquei mais de 3 meses em uma academia, pois odeio esteira e bicicleta. Optei pela zumba, um exercício aeróbico que mescla vários ritmos musicais. E foi a melhor decisão que tomei.

 

Hoje, não sigo dieta e aprendi a diferenciar uma vontade legítima de um desejo compulsório. Não devemos nos culpar por comer. A sociedade já é cheia de regras e impor mais restrições ao corpo pode fazer muito mal. Não estou dizendo que você não deva procurar ajuda médica, o que quero é mostrar que ao longo de mais de 8 meses, consegui perder 7 quilos e meio sem me restringir, mas aprendendo que a gente pode levar a vida mais leve.

 

Ainda de acordo com a nutricionista Sophie Deram, francesa e naturalizada brasileira, “ o cérebro entende essa mudança repentina na alimentação como um perigo e se adapta para reter mais gordura. A dieta estraga o cérebro”

 

Se você ainda tá com a cuca meio preocupada, sugiro ler a matéria completa citada acima. Vale a leitura!

 

http://m.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2014/12/1565364-fazer-dieta-so-serve-para-engordar-mais-ainda-diz-nutricionista-da-usp.shtml#

 

 

Tem alguma dica para compartilhar? Conta pra mim 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.

Monise Reis

Redatora na maior parte do tempo, legal quando necessário e Power Ranger nas horas vagas.