Ser gentil custa pouco. Viver num ambiente de gentileza, isso não tem preço

Quando eu conto que em uma semana morando em São Paulo o pessoal do comércio local já chamava meus meninos pelo nome, pouca gente acredita. Alguns dizem que o som italiano – Enzo e Giorgio – ajudou no bairro italiano. Mas a maioria admite que eu moro num oásis no meio da cidade grande.

Creio muito mais nisso. Amo a Mooca porque aqui tenho os confortos da maior cidade da América Latina e um clima interiorano aconchegante e familiar.

Para quem duvida, mesmo com todas as boas notícias sobre a região, uma historinha emblemática que correu minha timeline hoje:

Para ajudar passageiros, cobradora anuncia paradas de linha de ônibus em SP (Crédito da foto: Rodrigo Borges Delfim/UOL)

“Tem coisas que não fazemos por dinheiro, mas por princípio, porque acreditamos que é o correto.”

E fazemos porque não custa nada.

Ser gentil custa pouco ou quase nada. Viver num ambiente de gentileza, isso não tem preço.

Mas vamos à historinha:

“Muita gente pega ônibus em São Paulo sem saber exatamente onde tem de descer. Mas nem por isso se aperta. É só perguntar ao motorista ou ao cobrador qual o ponto certo. Mas, se você pegar o ônibus 40596 da linha 573 A (Metrô Bresser-Vila Alpina), na zona leste de São Paulo, não tem como ficar perdido. A cobradora de ônibus Valéria Körber, 47, costuma anunciar quais são as próximas paradas e o que fica próximo a cada uma, mesmo sem os passageiros pedirem.”

Por que ela faz isso?

“Notei que as pessoas precisam de informação. Essa é uma linha pela qual passam cerca de 1.500 pessoas por dia. Muitas delas ficam sem saber ao certo para onde ir e onde descer. Não me custa nada dar essa informação aos passageiros”, explica. Os principais pontos de referência estão na avenida Paes de Barros, no bairro da Mooca, que é atravessada de ponta a ponta pela linha.

Por esta avenida trafega a cobradora de ônibus mais gentil de São Paulo (Crédito da foto: acervo pessoal Sam Shiraishi)

Preciso contar que ela é “nascida e criada na Mooca” ou vocês já adivinharam?

A cobradora também tem uma excelente formação profissional (é professora e fez mestrado em design gráfico nos EUA) e conta que aceitou atuar como cobradora de ônibus como algo temporário enquanto não conseguia se recolocar no mercado, o que nos ensina outra coisa:

Educação, meus amigos, é  mesmo o segredo para uma sociedade melhor, mais justa e, por que não, muito mais humana e gentil.

Amo a Mooca <3

P.S. Crédito da primeira foto: print de tela da foto de Rodrigo Borges Delfim/UOL. A segunda é do meu acervo pessoal mooquense! 😉

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook