Cientistas propõem reciclagem de livros didáticos

“Quatro milhões de toneladas de papel são recicladas anualmente no Brasil, um volume equivalente a 43,5% do total consumido no país em 12 meses.”

Os dados, fornecidos pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), nos alertam para um desperdício que parece inevitável para boa parte das famílias brasileiras, o relacionado ao descarte do material escolar. Estudei em escola pública quando se doava o livro para alunos usarem no ano seguinte (e a gente usava com carinho, cuidando para deixar o livro em condições de uso para o próximo) e quando passei a usar apostilas escolares no ginásio (Fundamental 2), descobri que o material passava a ser simplesmente descartado.

Neste feriado lembrei deste desperdício ao arrumar o quarto dos meus meninos. Quilos de apostila e cadernos, sem falar em trabalhos e provas, estão separados para quando o ano letivo acabar e precisamos saber o que fazer com eles. Foi aí que lembrei desta pesquisa do IPT, que nos lembra que “os números relativos à reciclagem de papel no Brasil pode aumentar com o melhor aproveitamento de nichos de materiais, como os livros didáticos usados por alunos de escolas particulares e públicas“.  Soube inclusive que nas escolas públicas a prática de reaproveitamento do material ainda existe, os exemplares são repassados no final de cada série a novos alunos e descartados somente após três anos de uso.

Segundo dados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), quase 138 milhões de exemplares de livros didáticos foram distribuídos em 2011. Considerando as características médias do livro, ou seja, papel miolo com gramatura de 75 g/m², formato de 20,5 x 27,5 cm e 200 páginas, um total de 123 mil toneladas de papel tem potencial para reciclagem.

Quer saber mais detalhes?

O IPT, em seu Laboratório de Papel e Celulose, realizou um projeto de pesquisa em amostras do miolo e da capa dos livros que mostrou a viabilidade do reaproveitamento do papel em produtos de maior ou menor valor agregado e preencheu uma lacuna em estudos específicos sobre a reciclagem dos livros didáticos. Grande parte deles é impressa em quatro cores e tem lombada quadrada e miolo fixado com cola de poliuretano, por isso, para um reaproveitamento eficiente, a reciclagem deve promover a remoção dos pigmentos coloridos e da cola.

É mesmo economicamente interessante?

De acordo com o IPT, embora represente uma redução no uso de recursos naturais, a reciclagem é um processo mais complexo em comparação à obtenção de fibras virgens porque os papéis a serem recuperados consistem geralmente em uma mistura de diferentes fontes.

Os elementos que complicam…

Os livros e apostilas têm ainda em sua composição uma série de contaminantes, como corantes, revestimentos, tintas de impressão, laminações e adesivos, e materiais que acabaram sendo misturados durante o ciclo de vida ou coleta, como clipes, arames, elásticos e impurezas.

Vale lembrar que estes materiais seriam “jogados” na natureza se não fossem encaminhados para reciclagem adequada, o que nos faz pensar que reciclar adequadamente ainda é o melhor caminho! 

Saiba detalhes dos processos utilizados na pesquisa aqui. Num deles (cozimento com solução alcalina e destintamento), o resultado foram papéis com pouca ou quase nenhuma sujidade e com alvura equivalente à dos papéis empregados na confecção dos livros didáticos. No outro (desagregação) o alto teor de sujidade permitiria o uso em produtos como chapas de papelão ondulado e cartões multicamada, que não exigem requisitos de aparência.

E aproveite a ideia para arrumar as prateleiras e gavetas da sua casa antes do final do ano, quem sabe até mostrando para as crianças como seu material pode ser aproveitado por outros alunos ou para produção de novos materiais, poupando o corte de árvores. Pode ser que assim eles pensem duas vezes antes de desperdiçar material, fortalecendo a consciência ecológica.

Você pode gostar também de ler:
The following two tabs change content below.
Quarentona assumida, me sinto uma representante legítima da minha geração e, por que não, um modelo para as mais jovens que desejam envelhecer sem deixar de lado os pequenos prazeres da vida, da comida, da diversão, dos cuidados com a saúde e a beleza, das relações pessoais que fazem tudo valer a pena. Um breve resumo: cristã, jornalista, netweaver na otagai.com.br, blogueira no @avidaquer @maecomfilhos @cosmethica.

Comentários no Facebook